Menu
sexta, 25 de setembro de 2020
Política

MS pode receber o triplo de dinheiro do Fundeb nos próximos anos caso PEC seja aprovada

De acordo com a SED, o recurso atual é utilizado apenas para o pagamento de professores do Estado

07 setembro 2019 - 18h10Por Rayani Santa Cruz

O Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica) pode ter um aumento da cota da União de 10% para 40% caso uma de três propostas de emenda à Constituição seja aprovada no Congresso. Na prática, isso significaria um aumento repasse para o Mato Grosso do Sul e demais estados. 

A Secretaria Estadual de Educação (SED) informou que a previsão orçamentária, em 2019, prevê que MS deve receber cerca de R$ 1,1 bilhão de reais do Fundeb. Montante esse destinado para pagamento de professores da Rede Estadual de Ensino (REE). 

Conforme gráfico exposto no site Agência do Senado, o gasto do fundo por aluno em MS é de aproximadamente R$ 3.710,00. Conforme a SED, este número é aproximado ao valor inicial, e ele varia de acordo com a Etapa da Educação Básica que o estudante está inserido. 

A Secretaria explicou ao TopMídiaNews que, atualmente, os  repasses não conseguem suprir totalmente as necessidades dos alunos de MS.

“Hoje, o Estado utiliza quase 100% do repasse, oriundo do Fundeb, no pagamento dos professores. Durante análise do orçamento para 2019, a SED constatou que o recurso seria insuficiente para a manutenção dos vencimentos até o final do ano. Na casa dos R$ 1.1 bi/ano, o repasse não cobre o gasto total com os professores do Estado, cuja soma atinge a marca de 3.64 bi/ano”, diz a SED em nota.

Para custear a diferença e garantir o pagamento dos vencimentos aos professores da Rede, e como a qualidade no ensino, a SED conta com recursos ordinários do tesouro, além de recursos federais.

Caso haja um aumento dos recursos nos próximos anos, a SED diz que pretende realizar o reordenamento dos recursos para direcionar investimentos específicos na infraestrutura das unidades escolares, bem como outros investimentos nas áreas de tecnologia, por exemplo.

PECs 

O Fundeb expira no dia 31 de dezembro de 2020 e, conforme a Agência do Senado, a sobrevivência do fundo está nas mãos do Congresso Nacional. Senadores e deputados federais estudam três propostas de emenda à Constituição (PECs) que garantem a renovação em 1º de janeiro de 2021.

No Congresso, a continuidade do fundo e o aumento das injeções diretas do governo federal estão previstas  nas Propostas de Emenda Constitucional 33/2019, do senador Jorge Kajuru (Patriota-GO), e na PEC 65/2019, dos senadores Davi Alcolumbre (DEM-AP) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP). Na Câmara, o que está em análise é a PEC 15/2015, da deputada Raquel Muniz (PSD-MG).

Atualmente a União contribui com 10% para o fundo, se aprovada a PEC, o Governo Federal passaria  a contribuir de 30% a 40% com elevação gradual da cota. 

O governo federal diz que o valor deveria ser de 15%. O Ministério da Economia apoia o reajuste e defende que os 5% adicionais saiam dos Fundos Constitucionais de Financiamento do Norte (FNO), do Nordeste (FNE) e do Centro-Oeste (FCO). A ideia deve enfrentar a oposição de governadores, prefeitos e empresários das três regiões.

Pressa na aprovação

Entidades da educação querem que a renovação do Fundeb seja feita até o fim deste ano. Após migração permanente da Constituição, os senadores e deputados ainda terão que aprovar uma lei que regulamente o novo arranjo e garantir que as engrenagens do Fundeb permanente possam rodar já em 1º de janeiro de 2021.

O Fundeb um recursos essencial para a educação brasileira. Desde a criação o fundo é alimentado por verbas federais, estaduais e municipais, que depois são divididas entre estados e prefeituras. 

Leia Também

Homem é assassinado com 6 tiros em frente a espetinho
Polícia
Homem é assassinado com 6 tiros em frente a espetinho
Rapaz morre após bater moto em carro no Estrela do Sul
Polícia
Rapaz morre após bater moto em carro no Estrela do Sul
'Eu ligava, ele não atendia', diz Mandetta sobre relação com Paulo Guedes
Geral
'Eu ligava, ele não atendia', diz Mandetta sobre relação com Paulo Guedes
País tem 13 milhões de desempregados
Geral
País tem 13 milhões de desempregados