tce janeiro
SENAR 26/01
Menu
quarta, 26 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Política

Mulher do ‘Cafezinho’ vai embora calada e advogado nega pagamentos

24 setembro 2015 - 12h12Por Mariana Anunciação e Dany Nascimento

Conhecida popularmente como a 'mulher do cafezinho', a empresária e secretária Elza Cristina Amaral chegou às 9h desta quinta-feira (24) para prestar depoimento ao promotor Marcos Alex Vera de Oliveira, coordenador do Gaeco (Grupo de Atuação e Repressão ao Crime Organizado), na Operação Coffee Break, que terminou em torno das 11h30. Ela se manteve calada diante da imprensa e foi qualificada como testemunha.

A Polícia Federal analisa o fato dela ser braço direito do investigado na Operação Lama Asfáltica, João Amorim. Os indícios apontavam que ela seria responsável por fazer pagamentos de propinas a empresários, servidores públicos e até os políticos, por meio do codinome "cafezinho".

O advogado de Elza, Benedito de Figueiredo, informou que ela foi ouvida apenas na condição de testemunha e respondeu todas as perguntas do promotor Marcos Alex Vera. “O termo cafezinho é uma forma gentil que ela utilizava para agendar as reuniões do João Amorim. Fazia isso por ser secretária, é natural. Mas não existia nenhum tipo de pagamento”, destacou.

 

                                                                  Foto: Geovanni Gomes

A assessoria de comunicação do Gaeco confirmou que realmente ela foi ouvida como testemunha, mas não adiantou nada sobre o depoimento.

Investigação

Elza Cristina ficou conhecida após escutas telefônicas do Gaeco serem divulgadas. A empresária supostamente pagava propina aos interessados na sede da empresa Proteco Engenharia Ltda., a pedido do proprietário João Amorim. Nas gravações, diversas pessoas foram flagradas pedindo permissão ao empresário para 'tomar um café com Elza', que segundo os agentes federais, poderia ser o código estabelecido para receber dinheiro ilegal da quadrilha.

Além disso, João Amorim teria a transformado em sócia no ano de 2007, uma vez que ela era funcionária do megaempresário desde 2002, como secretária na Proteco. Em contrapartida, o advogado defende a postura de Elza e diz que não há irregularidades em seu comportamento e ela continua sendo secretária pessoal de João Amorim e sócia minoritária da Protec.

Leia Também

Enfermeira injeta agulha, mas não aplica vacina contra Covid-19 em criança (vídeo)
Geral
Enfermeira injeta agulha, mas não aplica vacina contra Covid-19 em criança (vídeo)
Geral
Médica é encontrada morta dentro de Pronto Socorro em São Paulo
O corpo de Ana foi encontrado durante o plantão da profissional no Pronto Socorro Central de Cubatão
Foragido 'dá baile' na Polícia Civil depois de jogar droga em presídio de Cassilândia
Interior
Foragido 'dá baile' na Polícia Civil depois de jogar droga em presídio de Cassilândia
Secretaria de saúde corta janta de profissionais que atuam no combate a Covid em Ribas
Interior
Secretaria de saúde corta janta de profissionais que atuam no combate a Covid em Ribas