Menu
segunda, 23 de novembro de 2020
Política

Nelsinho Trad diz que só aceita aliança para governo se PT for coadjuvante

Eleições 2014

14 novembro 2013 - 06h00Por Aline Oliveira

O ex-prefeito e atual secretário de Estado de Articulação, de Desenvolvimento Regional e dos Municípios, Nelson Trad Filho afirmou que a possibilidade de uma coligação com o Partido dos Trabalhadores (PT), só será viável se o partido aceitar a condição de coadjuvante no processo de candidatura ao governo do Estado, em 2014.

 

“Acredito que seja possível uma coligação com o PT, desde que venham somar conosco na qualidade de coadjuvantes e que os protagonistas sejamos nós do PMDB. Nós temos que ser cabeça de chapa já que o governo de Mato Grosso do Sul é nosso, então não tem porque mudar isso. É a mesma coisa de no cenário nacional, falar que o Michel Temer será o candidato a presidente a Dilma Roussef a vice. O comando nacional está com o PT e aceitamos ser coadjuvantes, agora aqui se não acontecer desta forma, teremos candidatura própria”, afirmou Trad Filho.

 

Questionado sobre as declarações do deputado Jerson Domingos (PMDB) que é favorável a aliança dos dois partidos e a candidatura do senador Delcídio do Amaral (PT), o secretário afirma que está tranquilo com as diferenças de opinião e não tem a pretensão de agradar todo mundo.

 

“Acredito que as divergências de opinião existem e não tenho a ilusão de ser unanimidade dentro de um colegiado partidário. Mas, tenho a convicção de ser ampla maioria, já que minha candidatura não é só minha, pertence a um grupo de pessoas e militantes partidários. Eles entendem que fiz uma boa administração com apoio do governador André Puccinelli e desejam que eu dê prosseguimento ao projeto de governo produtivo realizado até então”, destacou.

 

Ele afirmou ainda que não vê cabimento de entregar de ‘mão beijada’ ao adversário, todo o trabalho realizado e do qual o adversário foi contra sempre. “Não dá simplesmente para deixar de lado o trabalho árduo que realizamos. Eu represento um grupo de pessoas que me impulsionam com força e energia, mesmo em situações conflitantes como esta”, argumentou Trad Filho.

 

Conflitos Indígenas – Sobre a situação de conflito vivenciada por produtores rurais e grupos indígenas, o secretário espera que o governo se posicione com mais firmeza, já que tem de ser considerado o direito sagrado da propriedade. “Não se pode em hipótese nenhuma deixar que se utilizem questões ideológicas para sobrepor este direito protegido pela constituição federal. O que temos observado é que tem sido feitas demarcações sem critério e justiça. As terras distribuídas ficam improdutivas e acabam indo parar na mão de terceiros. E aqueles que lutam dia após dia são deixados de lado”, frisou.

 

Trad Filho acredita que o governo federal deva sim, respeitar os direitos dos indígenas em determinadas situações, mas precisa estabelecer uma política de colocar o índio na sua terra com produção e que possa gerar renda. “Não se pode simplesmente demarcar as áreas e largar os povos indígenas sem apoio. Isso acaba sendo usado por grupos de fora que aproveitam da situação para se beneficiar”, finalizou.

 

Leia Também

Está faltando cerveja no mercado: bebida começa a faltar no Brasil
Geral
Está faltando cerveja no mercado: bebida começa a faltar no Brasil
Vendedor diz que guarda municipal faz concurso a “nível macaco” e se dá mal
Polícia
Vendedor diz que guarda municipal faz concurso a “nível macaco” e se dá mal
Senador é suspeito de estuprar jovem depois de festa em São Paulo
Política
Senador é suspeito de estuprar jovem depois de festa em São Paulo
Geraldo Resende alerta para novo aumento de casos da covid em MS
CORONAVÍRUS
Geraldo Resende alerta para novo aumento de casos da covid em MS