Menu
terça, 18 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Política

No segundo dia de oitivas, Cabeludo e advogado de Trad falam com Gaeco

03 setembro 2015 - 14h55Por Kamila Alcântara e Alessandra Carvalho

O vereador Vanderlei Cabeludo, do PMDB, chegou à sede do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), por volta das 14h30 desta terça-feira (3), dizendo que “a Justiça está fazendo a parte dela” e que está tranquilo. Ele foi convocado a depor após a operação Coffee Break, que investiga suposta compra de votos na cassação de Alcides Bernal (PP), em 2014.

Ainda segundo o vereador, ele votou a favor da cassação de Alcides Bernal, em março do ano passado, para atender um pedido da população. “Na época eu votei favorável a cassação pois era um clamor da sociedade, o que todos queriam”.

Disse ainda que, apesar das investigações comprometerem vários políticos do PMDB, o partido continuará o mesmo e Mario Cesar, que foi afastado, deve voltar logo. Por fim, ele garantiu informar o que foi dito e perguntado durante o interrogatório.

Buscando informações

O advogado do vereador Otávio Trad (PT do B), André Borges, também foi até a delegacia em busca de informações sobre o celular do seu cliente, que até agora não foi devolvido, e se ele precisará ser ouvido nos próximos dias. André informou ainda que Trad já prestou esclarecimentos no ano passado e que está a disposição.

Investigações

A Operação Coffee Break é o resultado de duas operações realizadas, uma do próprio Gaeco que investigou o prefeito afastado Gilmar Olarte, do PP, em 2014, em que o apontou como principal articulador em esquema estelionatário e investigado por crimes de corrupção passiva, continuidade delitiva e lavagem de dinheiro. O objeto serviu de base para abertura da Comissão Processante na Câmara.