Menu
domingo, 16 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Política

Olarte deve ser ouvido amanhã pelo Gaeco

05 outubro 2015 - 09h00Por Rodson Willyams

O prefeito afastado Gilmar Olarte, do PP por liminar, será o próximo a ser ouvido na Operação Coffee Break, realizada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado), nesta terça-feira (6). O depoimento está previsto para acontecer às 9 horas, na sede do órgão. Hoje (5), quem presta depoimento é o empresário João Amorim.

Amorim, principal alvo da Operação Lama Asfáltica, teve a prisão decretada na última quinta-feira (1), pelo desembargador  Luiz Cláudio Bonassini, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul. A mesma decisão também valeu para o prefeito afastado Gilmar Olarte. O magistrado acatou pedido feito pelo Ministério Público Estadual, que acusa o empresário e Olarte de comprarem votos de vereadores para cassar o prefeito Alcides Bernal (PP).

Amorim foi o primeiro a se entregar, no mesmo dia em que a Justiça decretou a prisão, na noite do última sexta-feira (2). Porém, por meio de habeas corpus emitido pelo Superior Tribunal de Justiça, Amorim conseguiu deixar a Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Bancos, Assaltos e Sequestros.

Olarte inicialmente chegou a ser considerado foragido da polícia, acabou se entregando à polícia. A defesa do prefeito afastado afirmou que Olarte estaria no interior de São Paulo, em casa de familiares, e assim que saiu a decisão, voltou para a Capital e se entregou a polícia durante a madrugada. Olarte segue preso no Presídio de Trânsito, em Campo Grande.

Próximos passos

Segundo assessoria de imprensa do Gaeco, o promotor Marcos Alex Vera realiza nesta semana as duas oitivas para ouvir João Amorim e Gilmar Olarte e fica no aguardo para receber os documentos da perícia do Instituto de Criminalística, que tratam do conteúdo dos celulares apreendidos no dia 25 de agosto.

Ao total, 17 aparelhos foram apreendidos e, somente de um único aparelho, foram obtidas cerca de 50 mil folhas, que serão analisadas pelos agentes do Gaeco.