Menu
domingo, 16 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Política

Olarte está proibido de aparecer na prefeitura

25 agosto 2015 - 11h15Por Izabela Sanchez e Rodson Willyams

O ex-prefeito, recém afastado, Gilmar Olarte (PP), está proibido de aparecer na Prefeitura de Campo Grande por determinação da justiça. Além dele, o ex-presidente da Câmara Municipal, Mario Cesar (PMDB), também está proibido de aparecer na Casa de Leis.

O promotor de justiça responsável pela operação Coffee Break do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), braço direito do Ministério Público Estadual, Marcos Alex Vera de Oliveira afirmou que, por meio da Procuradoria Geral do Estado e do Gaeco, foram cumpridos na manhã desta terça-feira, 13 mandados de condução coercitiva e mais 17 mandados de busca e apreensão.

O promotor também afirmou que as procuradorias da Câmara e do Município já foram notificadas do teor de afastamento do ex-prefeito Gilmar Olarte (PP) e do ex-presidente da Casa de Leis, Mario Cesar (PMDB).

Dos 13 mandados, 09 vereadores envolvidos já cumprem a medida na sede do Gaeco. São eles: Edil Albuquerque (PMDB), Carlão (PSB), Edson Kiyoshi Shimabukuro (PTB), Airton Saraiva (DEM), Paulo Siufi (PMDB), o ex-presidente Mario Cesar (PMDB), Waldecy Batista Nunes – Chocolate – (PP) e Gilmar da cruz (PRB). O secretário municiapal de saúde Jamal salem (PR) e o ex-vereador Alceu Bueno, também estão no local.

Os empresários João Amorim, João Roberto Baird e Fabio Portela Machinky também estão na sede do Gaeco. Os mandados foram emitidos pelo Desembargador Luiz Claudio Bonassini, na noite de segunda-feira, 24.

O promotor ainda afirmou que mais um empresário está na lista e será revelado em coletiva de imprensa na sede do Gaeco às 15h. “Não posso passar detalhes da investigação”, declarou ele.

               O promotor responsável pela operação Coffee Break, Marcos Alex Vera de Oliveira (foto: Geovanni Gomes)

Os vereadores serão ouvidos de acordo com necessidades especiais, como idade avançada ou uso de cadeira de rodas, e serão liberados de acordo com a ordem das declarações.

O advogado de João Amorim, Benedito Figueiredo, deixou o local e afirmou “que não poderia dar detalhes”, apenas confirmou que o empreiteiro e principal nome da Lama Asfáltica está na sede do Gaeco.

Fábio Theodoro, advogado do ex-vereador Alceu Bueno, também deixou a sede do Gaeco e declarou que Alceu Bueno "foi encaminhado, mas está na condição de testemunha e veio apenas para prestar esclarecimentos". Ele também informou que o ex-vereador ainda não tinha sido ouvido.

O advogado também informou que os 13 detidos foram colocados em uma sala reservada e aguardam juntos para prestar depoimento.

(Matéria editada 12h para acréscimo de informações).