Menu
Busca domingo, 17 de novembro de 2019
Política

Para Simone, depoimento de Moro foi ‘satisfatório’

Por 9 horas, ministro foi questionado pela CCJ do Senado sobre troca de mensagens com procurador da República, no período que era juiz federal

19 junho 2019 - 17h32Por Celso Bejarano, de Brasília

Durou nove horas a audiência da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) do Senado, com a participação do ministro Sérgio Moro (Justiça e Segurança Pública), que teve troca de mensagens vazadas com o chefe da operação Lava Jato, enquanto ainda era juiz, publicada no site noticioso Intercept Brasil, semana passada.

Nas conversas, o ex-juiz federal, segundo o site, combinava a estratégia de ação nos processos da Lava Jato, que sentenciou o ex-presidente Lula, preso há um ano e dois meses, em Curitiba (PR).

Reportagens do site suscitam a ideia de que Moro teria agido com parcialidade nas investigações que, além de condenar, tirou Lula do pleito eleitoral, ano passado, vencido pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL)

A presidente da Comissão, a senadora sul-mato-grossense Simone Tebet (MDB), disse que a sessão foi “satisfatória”.

“Foi um diálogo republicado, saudável, democrático. Acho que os senadores já têm cada um juízo de valores dos fatos. Fatos estes que ainda vão se prolongar porque não sabemos o que vem por aí”, afirmou a senadora.

A CCJ convidou o procurador da República Deltan Martinazzo Dallagnol, chefe da operação Lava Jato, que aparece dialogando com o ex-juiz.

Deltan não é obrigado a aceitar o convite, contudo, a senadora o aguarda.

De acordo com Intercept, há mais diálogos do então magistrado que devem ser publicados. Moro deixou a magistratura federal ano passado e, logo depois, aceitou o convite de Bolsonaro, que o nomeou ministro.

Quarenta senadores fizeram perguntas ao ministro, entre os quais os senadores de MS Nelsinho Trad (PSD) e Soraya Thronicke (PSL).