TCE Novembro
TJMS DEZEMBRO
Menu
sexta, 03 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
CONSTRUINDO O SABER 29/11 A 29/12
Política

Pedro Chaves marca posse na terça e já ajuda a liberar verba para Campo Grande

15 maio 2016 - 18h10Por Rodson Willyams

O empresário Pedro Chaves, do PSC, marcou para terça-feira (17) a posse no Senado Federal, onde vai ocupar a vaga deixada por Delcídio do Amaral, cassado. Em entrevista ao TopMídiaNews, Chaves anunciou que a primeira ação como senador por Mato Grosso do Sul será destravar o projeto Reviva Centro, que prevê o empréstimo de US$ 56 milhões junto ao BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento) para obras em Campo Grande.

"Eu já conversei com os técnicos da prefeitura. Perguntei quais são os projetos que estão pendentes e vi que há o do BID, ele representa um valor significativo, e esse será o primeiro que eu vou dar prioridade lá em Brasília. Eu ainda vi quais são os outros projetos que temos para Campo Grande", afirmou o futuro senador.

Chaves ainda revelou que, como senador, pretende assumir uma postura municipalista. "Quero trabalhar com os municípios. Vou visitar a todos e ver as necessidades e quais os projetos que estão em andamento. Hoje, por conta da crise, os municípios estão sufocados por problemas econômicos, perderam a capacidade de investimento e de criar empregos. Então, a minha missão é resgatar tudo isso".

O Projeto

De acordo a Coordenadora da Central de Projeto da Secretaria Municipal de Governo, Catiana Sabadin Zamarrenho, devido ao câmbio menor e outros projetos do Programa de Aceleração do Crescimento que estão disponíveis para a Capital, será possível investir parte do recurso do BID em outras áreas.


"O projeto prevê revitalizar o quadrilátero entre a Rua Calógeras, Rua 26 de Agosto, Rui Barbosa e Rua Maracaju. Porém, nessas via há a previsão para ser instalado o corredor do ônibus do PAC Mobilidade. Então, com esse recurso disponível do BID poderemos aplicar investimos em outras áreas, como no Mercado Municipal, Horto Florestal e na Pensão Pimentel".


O grande desafio do projeto será a revitalização da Rua 14 de julho. "Essa obra vai desde a Fernando Correia da Costa até a Avenida Mato Grosso. Essa será uma obra complicada, porque será necessários fazer algumas mudanças e inclusive o embutimento dos fios de alta tensão. No entanto, o tempo estimado para essa obra será de 20 meses até finalizarmos. O projeto todo, como fizemos, terá o prazo de cinco anos até ser concluído", explicou.

A prefeitura deverá utilizar como contrapartida recursos oriundo PAC Mobilidade, no valor de R$ 190 milhões. "Esse recurso vendo do fundo do FGTS e já está assinado na Caixa Econômica Federal. Todo esse projeto está feito em cima dos recursos disponíveis para que lá frente não falta recurso para terminá-lo".


Além da revitalização, a prefeitura ainda estuda fazer um plano de habitação na região central da cidade. "Essa parceria será com o setor público-privado". O prazo para a prefeitura utilizar o recurso do PAC é de quatro anos e do BID, cinco anos para que as obras possam ser iniciadas e o Executivo não precise devolver o recurso.