(67) 99826-0686
Origem - entregas

Pedrossian Neto é nomeado para secretaria da indústria e traça estratégias para desenvolvimento esta

Continuidade administrativa

7 MAR 2014
Vanessa Ricarte
12h50min
Pedro Pedrossian Neto, próximo secretário da Seprotur. Foto: Geovanni Gomes

Hoje(07) no Diário Oficial do Estado, foi publicada a nomeação de Pedro Pedrossian Neto para assumir o cargo de secretário estadual adjunto da Seprotur (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo) – responsável pelo desenvolvimento socioeconômico das cadeias produtivas do estado.

O recém-secretário adjunto é neto de Pedro Pedrossian, governador de MS por duas vezes nos anos 80 e 90. A atual secretária da pasta, Teresa Cristina Corrêa da Costa, deve deixar o cargo em abril para concorrer às eleições para deputada estadual. Neto deverá assumir o comando da secretaria até o final da gestão do governador.

“A indicação veio por conta do contato que eu tenho há dois anos com a secretária Teresa Cristina, quando trabalhava na FIESP (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo). Como chegou nessa questão de final de governo, ela precisa de sucessores que possam contribuir significativamente para a secretaria. Fiquei muito honrado pelo convite do governador André Puccinelli”, afirmou o economista formado pela PUC/SP.

Ações da Seprotur

Sobre a continuidade dos trabalhados de Teresa Cristina, Pedrossian Neto afirma que em 15 dias deve efetivamente assumir as funções para os quais foi nomeado. “Estou me inteirando sobre os assuntos da pasta, fazendo um levantamento de todas as ações que foram realizadas, quais são os projetos prioritários da atual gestão e ver de que forma eu posso contribuir. Vou propor novas ações, levá-las ao governador e assim poderei falar pela pasta.”

Aos 32 anos, Pedro Pedrossian Neto assume uma das secretarias mais significativas do estado. O atual secretário adjunto diz que sua experiência profissional foi decisiva para a nomeação. “A estadia na FIESP durante cinco anos contribuiu para que eu tivesse experiência nos assuntos da indústria que é muito complexa no Brasil. Existe uma cadeia produtiva muito diversificada, heterogênea e com diversos interesses. A gente precisa ter um mapa preciso de qual é a situação econômica do país e qual é a inserção de MS dentro desse contexto.”

Veja também