Menu
Busca sábado, 30 de maio de 2020
GOV FEMINICIDIO
Política

Pesquisa revela que Brasil é líder mundial em fragmentação partidária

Partidos Políticos

21 outubro 2013 - 16h00Por Aline Oliveira

Um levantamento realizado pelo jornal Valor Econômico e a Cebrap demonstrou que o Brasil é líder mundial em fragmentação partidária e a criação de duas novas legendas, Pros e Solidariedade que já nasceram com bancadas de porte médio (cerca de 20 deputados federais) reforçou o resultado.

 

A pesquisa aponta ainda como ficou a distribuição de poder na Câmara, depois das trocas de legenda realizadas por 70 deputados até 5 de outubro (prazo final de filiação para a eleição do ano que vem). Cabe destacar que o cálculo levou em consideração apenas os deputados titulares.

 

Depois das mudanças, a Câmara dos Deputados tem agora 11,5 partidos efetivos, pontuando o legislativo brasileiro como o partido mais fragmentado do mundo. Durante 15 anos a fragmentação entre siglas caiu de 8,7 em 1990, para 7,1 em 1998, porém, de lá para cá aumentou em 62%.

 

Foi utilizado o indicador internacional para comparar a dispersão de poder nos legislativos, mostrando o peso relativo dos partidos de acordo com o tamanho das bancadas, e não o número absoluto de siglas.Por este critério, a quantidade de legendas na Câmara até diminuiu depois das migrações partidárias. Eram 23 e hoje são 21. Quatro nanicos - PEN, PHS, PSL e PRTB - sumiram do Congresso ao perderem seus cinco deputados. No entanto, surgiram duas, bem maiores: o Pros, que filiou 19 parlamentares, e o Solidariedade, que cooptou 22.

Leia Também

PÁGINA VIRADA: sem constrangimento, Willian Waack comenta protesto de negros nos EUA
Geral
PÁGINA VIRADA: sem constrangimento, Willian Waack comenta protesto de negros nos EUA
PF diz ao STF que vai ouvir Bolsonaro por causa das acusações de Moro
Geral
PF diz ao STF que vai ouvir Bolsonaro por causa das acusações de Moro
Moro sugere que Bolsonaro usou lei anticrime para proteger o filho Flávio
Cidades
Moro sugere que Bolsonaro usou lei anticrime para proteger o filho Flávio
Maia diz que Bolsonaro não 'comprou' Centrão: 'relação democrática'
Geral
Maia diz que Bolsonaro não 'comprou' Centrão: 'relação democrática'