TJMS JANEIRO
Menu
sábado, 22 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Política

Petistas devem apoiar pedido de cassação de Delcídio

01 dezembro 2015 - 08h21Por Diana Christie

Preso na tentativa de obstruir as investigações da Operação Lava Jato e sem respaldo do partido, o senador Delcídio do Amaral (PT/MS), antes líder da presidente Dilma Rousseff (PT), pode perder o mandato eletivo por quebra de decoro parlamentar.

Se a mesa diretora não tomar providências, o Rede Sustentabilidade, através do senador Randolfe Rodrigues (AP), já anunciou que vai ingressar com o pedido de cassação hoje (1º) e os petistas já sinalizam votar pelo fim da carreira política de Delcídio, pelo menos a curto prazo.

De acordo com declarações do líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE), para a Agência Brasil, “há uma tendência de reconhecer que houve indícios de quebra de decoro parlamentar por parte do senador Delcídio”.

Segundo Humberto, a bancada está consonante com a Executiva nacional da legenda, considerando que “se houver algum tipo de investigação aqui no Senado, há uma tendência de reconhecer que houve indícios de quebra de decoro. Obviamente, que isso tem que acontecer com plena defesa e sem nenhum prejulgamento, mas senti que há esse sentimento”.

Por causa da gravidade das denúncias realizadas pelo MPF (Ministério Público Federal), o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar do Senado, composto por 15 senadores e 15 suplentes, pode criar uma comissão de inquérito, em que Delcídio terá a oportunidade de se defender também perante aos pares. Uma vez instaurada, a investigação não poderá ser interrompida, mesmo se o petista decidir renunciar.

Por enquanto, o PT não pretende indicar um substituto para a CAE (Comissão de Assuntos Econômicos), pois faltam poucas reuniões antes do recesso parlamentar, mas não descarta mudanças no próximo ano. Se o Senado seguir em frente com a investigação por quebra de decoro parlamentar, deve assumir o suplente Pedro Chaves (PSC). 

Na semana passada, Chaves declarou que estava "perplexo" com as denúncias, mas destacou que a vantagem do inquérito é que Delcídio terá direito à ampla defesa. “A ausência dele é sentida por todos os segmentos, principalmente os municípios que ele tem angariado muitos recursos, possui uma excelente parceria com Campo Grande e com o governador [Reinaldo Azambuja, PSDB]”, completa.

Prisão

Delcídio foi preso na última quarta-feira (25) durante nova fase da Operação Lava Jato.  Ele estaria tentando obstruir as investigações através de tratativas com a família de Cerveró para ele não aceitar a delação premiada ou omitir irregularidades cometidas por ele e por André Esteves, controlador do Banco BTG Pactual.

O petista chegou a planejar uma rota de fuga para o ex-diretor da Petrobras, que tem nacionalidade espanhola, saindo do país pela fronteira seca com o Paraguai e seguindo viagem em um avião modelo Falcon 50. Em troca, a família do foragido receberia uma ‘mesada’ de R$ 50 mil ao mês.

Durante uma das gravações usadas pelo MPF para comprovar as irregularidades, o senador declarou abertamente que tentaria usar sua influência política para corromper ministros do STF, complicando a situação da defesa.