Menu
terça, 27 de outubro de 2020
Política

PPS boicota Aécio e vai de Campos em 2014

Sucessão presidencial

08 dezembro 2013 - 12h38Por Redação

O PPS irá apoiar a candidatura do presidenciável Eduardo Campos em 2014. É o que decidiu o congresso nacional da legenda no sábado (7), em São Paulo. A proposta recebeu 152 votos dos delegados presentes, contra 98 que defenderam que o partido tivesse candidata própria, a ex-vereadora Soninha Francine. Um possível apoio ao presidenciável do PSDB, Aécio Neves, que tinha a simpatia das direções de Minas Gerais e Rio de Janeiro, foi descartado, após os dois diretórios mudarem de posição.

Segundo informou a Folha, os delegados do PPS de Minas e Rio argumentaram que não seria possível definir o apoio a uma candidatura sem que o partido ouvisse as propostas de Aécio e Campos, o que os levou a apoiar o nome de Francine, proposta derrotada na votação.

Abaixo a resolução aprovada no congresso:

1 - O PPS se soma ao PSB e REDE para construir uma candidatura a presidente da República no rumo da nova política, nova economia e novo governo para o Brasil.

2 - Nomeia uma Comissão Eleitoral para analisar a situação nacional e de cada estado e fazer a discussão das melhores alternativas para o crescimento do PPS, principalmente considerando as alianças que o partido tem nos estados.

3 - Convocam uma pré-convenção eleitoral para março de 2014 para decidir a aliança do partido.

Fonte: Brasil 247

Leia Também

Câmera flagra acidente com carro tombado na antiga Rodoviária de Campo Grande; veja o vídeo
Polícia
Câmera flagra acidente com carro tombado na antiga Rodoviária de Campo Grande; veja o vídeo
Pesquisador da Fiocruz, Julio Croda vê possibilidade de vacina para idosos no Brasil
CORONAVÍRUS
Pesquisador da Fiocruz, Julio Croda vê possibilidade de vacina para idosos no Brasil
Terça de céu nublado e máxima de 33°C no Estado
Cidades
Terça de céu nublado e máxima de 33°C no Estado
Candidatos tiram a terça-feira para gravar programas eleitorais e de redes sociais
Cidade Morena
Candidatos tiram a terça-feira para gravar programas eleitorais e de redes sociais