volta as aulas
Menu
Busca sábado, 29 de fevereiro de 2020
dengue
Política

Professores de MS criticam projeto que planeja revogar Novo Acordo Ortográfico

Se o decreto de 2009 for alterado, a linguagem e o ensino poderão voltar ao que eram antes

05 setembro 2019 - 19h00Por Rayani Santa Cruz

Professores campo-grandenses são contra a revogação do decreto do Novo Acordo Ortográfico, que está em vigor no Brasil há 10 anos. A discussão voltou à tona após comentários do presidente Jair Bolsonaro (PSL), e pedido de audiência pública do deputado Dr. Jaziel (PL-CE).

Contra a revogação, a professora Maria Fernanda, da UCDB (Universidade Católica Dom Bosco), diz que não se trata apenas de uma reforma ortográfica e sim de um acordo entre países de Língua Portuguesa, e que há anos jovens, adolescentes e crianças foram alfabetizados com essa ortografia. 

“Também por entender que, para o Brasil, a mudança foi mínima, não chegou a 5% do nossa escrita (grafia). Outra questão é que a mudança foi na escrita, não afeta nossa maneira de falar (oralizar)", destaca. 

Para a professora, o Acordo Ortográfico já está consolidado e em pleno uso. “Acredito que tenham questões mais urgentes e necessárias para serem tratadas por uma Comissão tão importante à educação brasileira”, argumentou. 

O deputado estadual Pedro Kemp (PT), presidente da Comissão da Educação da Assembleia Legislativa de MS, concorda com a professora e diz que, no momento, o país tem outras prioridades para discutir. O parlamentar é totalmente contrário à revogação do decreto. 

Pedro Kemp atua na comissão de educação da ALMS - Foto: André de Abreu

“Primeiro porque houve um esforço por parte dos países que falam português de uma unificação. Está há pouco tempo em vigor e houve uma mudança de livros didáticos. Fazer uma mudança como essa seria um transtorno muito grande para a língua portuguesa”, diz. 

A professora de Português, Suzy Ranielly, afirmou que a opinião particular é diferente da visão como profissional. “Ao meu ver, o novo acordo não teria necessidade. Eles vendem a ideia de que é para se igualar a questões diplomáticas e documentos; então significa que, na proposta de ensino e aprendizagem, ele [o acordo] não tem um grau de tanta importância”, diz. 

No entanto, a pedagoga explicou que no quesito ensino-educação, o tema é mais complexo, devido à mudança de livros da rede pública, que acontece a cada três anos, e a alfabetização das crianças. Para ela, no contexto geral, não há necessidade de mudar. 

“Num contexto pedagógico, eu concordo com a Rose Modesto [deputada] de que não se mexa porque já tivemos Enem, concursos públicos cobrando isso [a nova ortografia]. Estamos ensinando há dez anos, se chegar a isso [revogação] será para desaprender”, explicou.

Aparentemente, a audiência ocorrida na terça-feira (3) não foi muito bem recebida, já que não houve a participação de representante do Ministério da Educação e nem da Academia Brasileira de Letras.

Leia Também

Acusado de matar namorada a facadas e tentar suicídio segue internado sob escolta policial
Polícia
Acusado de matar namorada a facadas e tentar suicídio segue internado sob escolta policial
Bandeira tarifária segue verde em março
Economia
Bandeira tarifária segue verde em março
Trabalhador cai do telhado ao realizar reparos
Interior
Trabalhador cai do telhado ao realizar reparos
Motorista bate e tomba carro na Ricardo Brandão
Cidades
Motorista bate e tomba carro na Ricardo Brandão