ENTREGAS
(67) 99826-0686
Reviva centro

Professores denunciam diretora que faz 'ameaça em troca de votos'

As intimidações vem sendo feitas na escola Escola Estadual Roberto Scaff em Anastácio

30 SET 2016
Dany Nascimento
18h40min
Eliane Carpejani e o marido candidato a vereador Eduardo Carpejani Foto: Reprodução Facebook

Alunos e professores estão revoltados e alegam que sofrem represálias de cunho político da diretora da Escola Estadual Roberto Scaff, Eliane Carpejani, que seria casada com o candidato a vereador de Anastácio, Eduardo Carpejani (PT do B). De acordo com um professor que preferiu não se identificar por medo de represálias, Eliane estaria dificultando o trabalho de professores concursados que não apoiam a campanha política de seu marido e demitindo contratados que defendem outros candidatos.

"Ela dificulta o trabalho dos professores, a escola recebe material para ser trabalhado em sala de aula e, com raiva, ela diz que não tem material e que devemos trazer das nossas casas, ela faz piada na nossa cara porque não pertencemos ao grupo que defende a campanha do marido dela. Isso vem acontecendo há algum tempo, ela demitiu diversos contratados", diz o professor.

Diante disso, um grupo de professores procurou o Ministério Público e apresentou a denúncia, com provas de que foram coagidos. No momento em que o grupo denunciava o caso, o promotor João Girelli acionou a Polícia Militar, que prendeu um homem que tentava intimidar os professores, filmando o momento da denúncia.

A professora Eliane Ojeda, que da aula no curso Normal Médio, que capacita estudantes de nível médio para atuar como docentes na educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental, garante que foi vítima das ameaças da diretora, já que tem familiares que também concorrem ao pleito eleitoral. "Quando fui contratada, ela falou que tinhamos que dar apoio para o marido dela e agora, como chegou a campanha e ela percebeu que tenho parentes na política, começou a dizer que eu não estou rendendo votos para ela".

Eliane destaca ainda, que a diretora alegou que vem recebendo reclamações de alunos e enviou documentos para Campo Grande, relatando problemas com a forma de ministrar da professora, que procurou o Ministério Público. "Ela me chamou depois de perceber que tenho parentes na política e falou que os alunos estão reclamando muito do meu trabalho, que eu estou fazendo política dentro de sala de aula e eu nunca fiz isso. Ela encaminhou atas para a Capital. Eu fui conversar com os alunos para ver se isso procedia e todos me disseram que nunca reclamaram, dai eu procurei o Ministério Público e relatei a situação, ela está querendo me prejudicar com mentiras".

Uma aluna de 27 anos, que também preferiu não se identificar afirmou que já presenciou a diretora fazendo campanha eleitoral dentro da escola e intimidando os alunos. "Ela disse que a profossora faz política dentro da escola, quando na verdade quem fica ameaçando e intimidando a gente é ela. Ela que faz política dentro da escola, deixa claro que aqueles que não votarem no marido dela, serão prejudicados, porque eles podem prejudicar a gente através dos estágios".

Veja o vídeo do momento da prisão do homem que tentou filmar os denunciantes:

Veja também