Menu
quinta, 24 de setembro de 2020
Política

Projeto aumenta controle e transparência nas compras por licitação em MS

'Infelizmente, é recorrente as descobertas de desvios de materiais destinados ao poder público', justifica deputado

07 maio 2019 - 17h12Por Redação

Para dar controle e transparência nas compras feitas por meio de licitação, o deputado estadual Capitão Contar (PSL) apresentou um Projeto de Lei na sessão desta terça-feira (7), na ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul). “A intenção é fazer com que os objetos adquiridos com dinheiro público cheguem ao seu destino. Infelizmente, é recorrente as descobertas de desvios de materiais destinados ao poder público, seja para proveito próprio, como para uso indevido da Administração”, salienta o parlamentar.

No artigo 12 da Lei 1.070/1990, que fala das compras feitas pelos serviços públicos, contém a forma que deve ser feita a aquisição de um produto, seja ele um material escolar ou um equipamento hospitalar por exemplo, porém o deputado estadual salienta a necessidade de mais cinco novos parágrafos, que darão mais controle e transparência aos produtos fornecidos pela Administração Pública.

No Projeto apresentado pelo Capitão Contar consta que, “todas as mercadorias adquiridas por meio de Edital, deverá conter um selo em cada unidade com os dizeres: ‘Venda proibida, Mercadoria destinada exclusivamente ao fornecimento para o Estado de Mato Grosso do Sul, devendo constar o número da licitação e do processo administrativo’. O selo obrigatoriamente será nas cores vermelha ou preta com os dizeres em branco, e colocado na frente da mercadoria, de tamanho e leitura visível, além de ser de material resistente e destrutível. E caso o produto não comporte em si a identificação, ela deverá ser colocada na embalagem, para que seja entregue ao fornecedor”.

“Em pesquisa feita pelo TCU (Tribunal de Constas da União), já foram identificados que não existe hoje, em diversos setores públicos, qualquer controle eficaz de entrada e saída de produtos adquiridos. Com isso, a falta de identificação e a precariedade no controle dos estoques, torna muito mais fácil qualquer desvio de mercadoria adquirida com o erário público”, explica o deputado.

Capitão Contar ainda lembra que, o Projeto de Lei apresentado por ele, há penalidade de quem tenta burlar este sistema. “Com o selo qualquer cidadão poderá tomar ciência de que o produto foi adquirido com o dinheiro público, e se ele estiver atendendo o particular, desta forma, o cidadão poderá fazer a denúncia e, com base nas informações que há no selo, haverá um procedimento para apurar o crime de peculato, que já é previsto no CP (Código Penal)”, frisa.

Leia Também

Especialista eleitoral diz que Papy não cometeu crime em reunião com comes e bebes
Política
Especialista eleitoral diz que Papy não cometeu crime em reunião com comes e bebes
Mortes diárias por covid-19 ainda são altas e total já chega a 139 mil no Brasil
Geral
Mortes diárias por covid-19 ainda são altas e total já chega a 139 mil no Brasil
Mulher finge sequestro do neto para extorquir família e é presa em Ponta Porã
Interior
Mulher finge sequestro do neto para extorquir família e é presa em Ponta Porã
Homem é achado morto em salão de beleza e polícia investiga caso em Ivinhema
Interior
Homem é achado morto em salão de beleza e polícia investiga caso em Ivinhema