ENTREGAS
Solurbe - corrida do meio ambiente 18/04 a 08/05
(67) 99826-0686
Prestação de contas 17/04 a 26/04/2019

Com derrota de Suél, PSTU incentiva o voto nulo no segundo turno em Campo Grande

Partido diz que nenhum dos candidatos manifestam anseios da classe trabalhadora

4 OUT 2016
Airton Raes
14h06min
Foto: Geovanni Gomes

Após a derrota do candidato Suél Ferranti, o partido PSTU divulgou nota oficial nesta terça-feira, 04 de outubro, convocando os eleitores de Campo Grande a votarem nulo no segundo turno das eleições na Capital.  “Tanto Marquinhos quanto Rose não merece nossa confiança. Chamamos os trabalhadores e o povo pobre de Campo Grande a votarem nulo e a defenderem nas ruas um programa realmente classista que exija melhores condições de vida para a classe trabalhadora”, cita o partido na nota. 

A direção municipal do PSTU lembrou que é um partido de oposição, lutando por uma sociedade socialista. Eles destacam que a ida do deputado estadual Marquinhos Trad (PSD) e da vice-governadora Rose Modesto (PSDB) para disputar o segundo turno não manifestam os anseios do trabalhador campo-grandense. “Sabemos que nenhuma dessas candidaturas ao segundo turno está preocupada com os mais explorados e em combater as opressões, mas sim criminaliza-las. Prometem mais policiamento nas periferias onde está grande parte da juventude pobre e negra. Os casos de machismo, racismo e lgbtfobia nem citam”, continuam. 

O PSTU também afirma que cada voto dado aos dois candidatos vão reforçar os ataques aos menos favorecidos na sociedade. “As duas candidaturas representam a implementação de mais ataques para a classe trabalhadora. Eles negociarão as esperanças dos trabalhadores e do povo pobre. São os candidatos dos patrões! Expressamos aqui nossa rejeição às candidaturas que se colocam neste segundo turno chamando Voto Nulo, pois cada voto nulo significará menos força para o governo eleito”, escrevem na nota

Leia abaixo a nota na íntegra: 


NOTA DO PSTU SOBRE O SEGUNDO TURNO EM CAMPO GRANDE-MS


O PSTU é um partido de oposição tanto nas palavras quanto em sua prática cotidiana e, nesse sentido, lutamos por uma sociedade socialista onde a classe trabalhadora e o povo pobre ditem os seus rumos.


Participamos do processo eleitoral em Campo Grande apresentando um programa classista, socialista e revolucionário, diferenciando-nos claramente das outras candidaturas, demonstrando que as eleições nunca mudaram e nunca mudarão a vida da classe trabalhadora... Somente as lutas, as mobilizações, as greves mudarão, de fato, essa realidade.


Não nos curvamos às pressões oportunistas e não nos convertemos em uma força eleitoral que funcione como esquerda de regime, esquerda do “sim, senhor”, esquerda parlamentar. Não nos degeneramos e nossa luta é contra o capitalismo e todos que o defendem com “unhas e dentes”.
O resultado que adveio das urnas em Campo Grande com Marquinhos Trad (PSD) e Rose Modesto (PSDB) para o segundo turno em nada representará os anseios dessa classe, nem, tampouco, do povo pobre e dos povos da terra (indígenas, quilombolas, assentados e sem terras).
Tanto Marquinhos quanto Rose não merece nossa confiança assim como seus representantes em nível nacional, além do PMDB, PT, PDT, PPS e todos os aliados que estarão caminhando juntos com essas duas candidaturas.


Foram e serão promessas e mais promessas no horário eleitoral... Mas sabemos que nenhuma dessas candidaturas ao segundo turno está preocupada com os mais explorados e em combater as opressões, mas sim criminaliza-las. Prometem mais policiamento nas periferias onde está grande parte da juventude pobre e negra. Os casos de machismo, racismo e lgbtfobia nem citam.


Gritam em tom alto promessas vazias. Quanto ao transporte público apenas reforçam a lógica das empresas. Cada vez mais estão a serviço do lucro das empresas. E muitos outros problemas que afetam os trabalhadores e eles reforçam muitas e muitas promessas “salvadoras”...
Os marxistas definem a localização das posições políticas a partir da classe social representada. E essas candidaturas deixam claro o caráter de classe por elas representada. Para o PSTU esses representantes são os defensores das elites tanto econômica quanto política, do imperialismo, do latifúndio, do agronegócio. Suas campanhas são por estes financiados. As faturas serão cobradas a partir de 1º de janeiro de 2016. Esses interesses, portanto, estarão garantidos com os partidos que concorrem neste segundo turno e os que os apoiarão.


Cada voto dado em Marquinho ou em Rose ampliará a força do novo governo eleito para atacar as trabalhadoras, os trabalhadores e o povo pobre de Campo Grande. As duas candidaturas representam a implementação de mais ataques para a classe trabalhadora. Eles negociarão as esperanças dos trabalhadores e do povo pobre. SÃO OS CANDIDATOS DOS PATRÕES!!!


Expressamos aqui nossa rejeição às candidaturas que se colocam neste segundo turno chamando VOTO NULO, pois cada voto nulo significará menos força para o governo eleito.


Chamamos os trabalhadores e o povo pobre de Campo Grande a votarem nulo e a defenderem nas ruas um programa realmente classista que exija melhores condições de vida para a classe trabalhadora.


Chamamos a classe trabalhadora, o povo pobre e oprimido para que venham construir o partido revolucionário, que venham para a mobilização, que se organizem e lutem por suas legítimas reivindicações, que resgatem o sentimento expresso nas jornadas de junho de 2013, que resgatem as inúmeras greves que têm acontecido no Brasil, onde o descontentamento com o sistema capitalista fora levantado, onde a juventude trabalhadora demonstra a força que tem, onde os explorados e oprimidos questionam a democracia dos ricos.
 
SOMENTE A LUTA MUDA A VIDA!!!
NENHUMA CONFIANÇA EM MARQUINHOS TRAD E ROSE MODESTO!
FORA TEMER!!! FORA TODOS ELES!!!
GREVE GERAL PARA PARAR O BRASIL!!!
VOTO NULO EM CAMPO GRANDE!!
 
Campo Grande(MS), 3 de outubro de 2016.

Veja também