Menu
segunda, 17 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Política

Se depender do PDT Nacional, Beto Pereira fica até o final do mandato

20 novembro 2015 - 11h00Por Rodson Willyams e Dany Nascimento

As chances do deputado estadual Beto Pereira deixar o PDT, após alegar descontentamento dentro legenda, são pequenas. Isso se depender do presidente nacional do partido, ex-ministro do Trabalho, Carlos Roberto Lupi, que já sentenciou que o 'mandato é do partido' e não do candidato e a sigla não abrirá mão da vaga.

Em vista à Capital nesta sexta-feira (20), o ex-ministro foi questionado sobre a situação do parlamentar dentro do partido em Mato Grosso do Sul. Enfático, Lupi sentenciou: "ele não tem o aval nacional para deixar o partido. Se isso acontecer, ele poderá se esbarrar no Estatuto do partido que trata sobre a questão da fidelidade partidária. Entendemos que neste sentido, ele estará errando com o PDT", declarou.

No mesmo evento, que acontece em nesta manhã (20) na Câmara Municipal, antes da chegada de Carlos Lupi, o presidente regional da sigla, deputado federal Dagoberto Nogueira, disse que se depender do partido regional, Beto Pereira já estaria liberado para deixar o PDT.

"O partido não vai pedir o mandato dele se ele quiser sair, nós demos até um documento por escrito, ele pode sair quando quiser", ressaltou Dagoberto. O parlamentar ainda afirmou que Beto Pereira já vinha tendo problemas com a legenda desde o segundo turno das eleições estaduais ocorrida em 2014.

"Ele não teve um bom comportamento com o partido. Ele ficou contra as opiniões do PDT no segundo turno, se antecipava a tudo. Desta forma, o partido não tem interesse em ficar com pessoas assim", finalizou Dagoberto.

Na Assembleia Legislativa, Beto Pereira vem ameaçando deixar o PDT. Entre os seus argumento, chegou até a utilizar o fato de não participar de um grupo da sigla criada no aplicativo WhatsApp. Ele estaria de fora do grupo e das conversas discutidas no grupo.