Tribunal de Contas
(67) 99826-0686
Camara - marco

Secretarias de Campo Grande correm risco de paralisarem no próximo ano

Planejamento

26 NOV 2013
Juliene Katayama
13h41min
Foto: Izaias Medeiros/Câmara

A demora do Executivo em corrigir o Plano Plurianual (PPA) poderá prejudicar a votação da Lei Orçamentária (LOA) e, assim, paralisar os projetos das secretarias municipais. Isto, porque se o Orçamento de R$ 2,9 bilhões não for aprovado, o prefeito Alcides Bernal (PP) terá disponibilizado um doze avos, ou seja, cerca de R$ 241 milhões.

O prefeito pediu mais prazo para corrigir a PPA. Bernal terá de entregar o novo projeto até a próxima segunda-feira (2). Segundo a vereadora Carla Stephanini (PMDB), integrante da Comissão de Financas e Orçamento da Câmara, o projeto apresentado precisa ser refeito. "Vai ter de refazer o PPA é claro. Já foi alertado pela Casa", afirmou a vereadora.

Conforme explicou Carla, faltou incluir pontos fundamentais. "Faltaram metas e indicadores, o planejamento dos programas das secretarias. Os indicadores são as razões para produzir os programas", pontuou a peemedebista.

Com as falhas apresentadas, Carla disse que a diferença entre a despesa e a receita para os dez programas soma cerca de R$ 280 milhões. 

Só depois de aprovado a PPA que a Câmara poderá votar o Orçamento para 2014. A Mesa Diretora marcou para 12 e 17 de dezembro. Os vereadores não podem entrar em recesso antes de votar o Orçamento. A previsão do Orçamento é de R$ 2,9 bilhões, mas se não houver a aprovação, o prefeito só poderá usar um doze avos do previsto, ou seja, R$ 241 milhões.

"Eles mandaram as últimas correções na manhã de hoje. Evitamos a paralização das secretarias. Mas sem a PPA, teremos de encontrar uma saída para deixar Campo Grande sofrer ainda mais", explicou a presidente da Comissão de Finanças Orçamento, vereadora Grazielle Machado (PR).

O presidente da Casa, vereador Mario Cesar (PMDB), enfatizou que a PPA e o Orçamento devem ser interligadas. "O problema é que o PPA foi feito no modelo do governo federal, diferente da LOA", finalizou o peemedebista. 

Veja também