Menu
quinta, 29 de outubro de 2020
Política

Senadores evangélicos querem enterrar proposta que criminaliza homofobia

Bancada Evangélica

04 dezembro 2013 - 17h28Por da redação

A discussão em torno da proposta que define os crimes de discriminação ou preconceito de orientação sexual (PLC 122/2006) promete travar uma batalha no Congresso entre religiosos e apoiadores do movimento LGBT (lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais). A proposta, que estava na pauta da Comissão de Direitos Humanos (CDH) do Senado, foi alvo nesta quarta-feira de críticas por representantes da bancada evangélica.

O senador Magno Malta (PR- ES) disse que o relatório que será posto em discussão na CDH, de autoria do senador Paulo Paim (PT-RS) não tem consenso. "É uma mula de sete cabeças, é um monstrengo, uma anomalia. No texto do senador Paim, se você é hetero (heterossexual) no Brasil, você não tem direito a mais nada. No Brasil, para ter direito a alguma coisa, você precisa ser negro, velho, índio, portador de deficiência ou homossexual", criticou.

Uma das preocupações de religiosos é que a nova lei puna criminalmente manifestações de igrejas contrárias a determinada orientação sexual. Segundo Malta, o artigo incluído na proposta que protege a liberdade de expressão no local do culto não é suficiente, já que os cultos muitas vezes são realizados em locais públicos fora dos templos.

"Nós temos voto para matar (a proposta) em qualquer lugar, em qualquer comissão. Isso não é luta de evangélico contra homossexual, é da sociedade civil", afirmou Magno Malta.

Para protelar a discussão do assunto, a bancada evangélica, por meio do senador Eduardo Lopes (PRB- RJ), apresentou um requerimento à Mesa Diretora da Casa para que a matéria pare de tramitar separadamente e seja apensada à proposta de reforma do Código Penal. Segundo a presidente da CDH, senadora Ana Rita (PT-ES), para que esse requerimento seja votado no plenário do Senado é preciso que antes a tramitação seja concluída da CDH.

Depois de debates tensos, a leitura e votação do relatório, acabou adiada para a próxima semana, ainda sem dia definido. Apesar da pressão dos evangélicos, o adiamento foi um pedido do ministro Gilberto Carvalho, da Secretaria-Geral da Presidência da República, que já tinha marcado a reunião para discutir o projeto a ontem, mas em razão da morte do governador de Sergipe, Marcelo Déda, o encontro não aconteceu.

"A Secretaria-Geral da Presidência pediu, via José Pimentel (líder do governo no Senado), que haja essa chance de construir um entendimento em uma reunião nesta quinta-feira. Esse projeto não é bomba, é um projeto que trata de vidas, de direitos humanos", disse Paim.

Para evitar polêmicas, o termo homofobia não foi colocado especificamente na proposta. "Nem entra a palavra homofobia. Eu apenas digo que todo crime de ódio, de agressão de violência de desrespeito e quem for discriminado pela sua orientação sexual vai ter direito de recorrer à lei", explicou Paim, acrescentando que, com ou sem acordo, a proposta será votada na semana que vem.

No relatório distribuído nesta quarta-feira, além dos templos religiosos, o relator também diz que as opiniões manifestadas em eventos religiosos ficam resguardadas e portanto não podem ser punidas. Depois de votada na CDH a proposta ainda vai passar pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado e depois pelo plenário da Casa.

Leia Também

PMA aumenta fiscalização contra pesca ilegal e tráfico de animais
Polícia
PMA aumenta fiscalização contra pesca ilegal e tráfico de animais
Operação mobiliza 20 mil policiais, Exército e Marinha contra crime organizado em MS, MG, SP e PR
Polícia
Operação mobiliza 20 mil policiais, Exército e Marinha contra crime organizado em MS, MG, SP e PR
Um dia após confirmação da morte de criança, coronavírus faz mais 11 vítimas em MS
CORONAVÍRUS
Um dia após confirmação da morte de criança, coronavírus faz mais 11 vítimas em MS
Operação contra pedofilia prendeu empresário, advogado, sargento e técnico contábil
Polícia
Operação contra pedofilia prendeu empresário, advogado, sargento e técnico contábil