TCE Novembro
TJMS DEZEMBRO
Menu
sexta, 03 de dezembro de 2021 Campo Grande/MS
CONSTRUINDO O SABER 29/11 A 29/12
Repórter Top

Mudança em horários de escola atrapalha rotina de família na Capital

10 abril 2016 - 18h21Por Alessandra Carvalho

Mudanças no horário de saída dos alunos da Sociedade Educacional Juliano F. Varela, em Campo Grande, vem dificultando a rotina da família do jovem Gabriel Silva, de 19 anos. Em denúncia recebida pelo TopMídiaNews, o professor e pai do aluno, Genivaldo dos Santos Silva, 56 anos, relata como a instransigência da instituição está dificultando sua vida.

Ele explica que precisa se desdobrar para buscar Gabriel, que estuda há seis anos na escola, e chegar ao trabalho no horário. "Em 2015, o meu filho saia às 16h40. Neste ano, começou a sair às 17h e fomos avisados que ira mudar para as 17h20. Isso dificulta para muitos pais. Eles falaram que é por causa da agenda escolar, um pedido da Secretaria Educação, e teríamos que ir reclamar lá. A escola fica a 12 quilômetros da minha casa e estou chegando atrasado no meu trabalho com o novo horário".

A secretária escolar do Juliano Varela, Lucimar Goedert, 39 anos, disse que a mudança de horários ocorreu por determinação da SED (Secretaria de Educação do Estado de Mato Grosso do Sul). "Há 24 anos liberamos os 209 estudantes às 17 horas e recebemos a determinação para sair ás 17h20 da SED".

"Devido à matriz curricular, que prevê 200 dias letivos e 800 horas. No período da manhã, vamos entrar às 7h e liberar às 11h20. À tarde às 13 horas e saída às 17h20. Protocolamos um ofício na Coordenadoria de Normas e Políticas Educacionais com pedido de saída para às 17h por causa dos 20 minutos de intervalo, pelo fato de os professores não conseguirem realizar. Os alunos são especiais e não realizamos esse intervalo porque eles não podem ficar sozinhos", explica.

Um representante da escola entrou em contato com a reportagem há uma semana informando que analisaria o caso específico de Gabriel diretamente com o pai do aluno. No entanto, até o fechamento desta reportagem, nenhum acordo havia sido firmado.