Menu
Busca sábado, 16 de novembro de 2019
Repórter Top

Falta de lixeiras e piscina suja viram descontentamento geral no Di Napoli

Moradores formaram um grupo e pedem o afastamento do síndico

09 novembro 2019 - 09h30Por Rayani Santa Cruz

A falta de lixeiras e piscina suja são alguns dos problemas no condomínio Castelo Di Napoli, em Campo Grande.  Um grupo de 25 pessoas organiza reunião para diminuir a dor de cabeça e encontrar a solução de problemas. Eles pedem até saída do síndico.

O local é extenso e possui 19 blocos com 16 apartamentos cada. Começa na avenida Ernesto Geisel fazendo fundos com a rua Do Seminário. Moradores dos últimos blocos estão indignados pela falta de lixeiras, piscina suja, falta de acesso, blocos escuros, possibilidade de retirada de portão para pedestres e proibição da entrada de entregadores.

Uma das residentes, que preferiu não se identificar, fez denúncia ao Repórter Top e disse que havia lixeira para blocos distantes, mas o sindico retirou, sem consulta. 

“Ele administra do jeito que ele quer. Simplesmente decide que vai tirar e tira. Bloqueia a gente no WhatsApp e não atende as ligações. Fala que foi decidido em assembleia, mas nunca mostra a ata”, diz. 

(Condomínio- Foto: Repórter Top)

Muitos moradores estão recebendo pedidos delivery pelas grades do fundo, devido à distância da portaria. 

“Nós que moramos nos últimos blocos somos os mais prejudicados. Não temos uma lixeira. Eu chego à noite e preciso andar muito até chegar na portaria. Ele proibiu a entrada de entregadores, o que não faz sentido, já que pode entrar motorista de aplicativo”, disse a estudante de 22 anos.

A denunciante disse ainda que o bloco onde o síndico mora é bem cuidado, diferente dos outros. 

Providências

O grupo de 25 pessoas elaborou documento convocando moradores para fazer reunião e apontar os problemas para serem resolvidos. Existe uma pesquisa no residencial para saber a satisfação dos moradores.

Condôminos pretendem convocar assembleia para tirar o síndico do cargo. Eleições ocorrem em janeiro de 2020, mas, segundo a denunciante, “ninguém aguenta mais o descaso do síndico e subsíndico”.