Menu
sábado, 31 de outubro de 2020
Saúde

Bancada feminina questiona governo sobre restrição às mamografias pelo SUS

Restrições

08 fevereiro 2014 - 19h30Por da redação

Portaria determinou que o Ministério da Saúde só custeie mamografia para mulheres com mais de 50 anos. Para as deputadas federais, o exame gratuito precisa ser garantido aos 40 anos de idade. A bancada feminina da Câmara dos Deputados apresentou na quinta-feira (6) dois requerimentos de informação à Mesa Diretora.


As deputadas querem que o ministro da Saúde, Arthur Chioro, informe os motivos que levaram o ministério a restringir o financiamento de exames de mamografia bilateral realizados pelo Sistema Único de Saúde (SUS).


Segundo as parlamentares, a Portaria 1.253/13 restringe o exame gratuito apenas para mulheres de 50 a 69 anos, o que contraria a Lei 11.664/08, que assegura a realização de mamografia pelo SUS a todas as mulheres a partir dos 40 anos de idade.


Para a deputada Carmen Zanotto (PPS-SC), os municípios não terão recursos para arcar com os gastos dos exames sem que haja financiamento federal.


Retrocesso

A coordenadora da bancada feminina, deputada Jô Moraes (PCdoB-MG), considerou a portaria um retrocesso, mesmo entendimento das associações médicas do País.


Jô Moraes afirmou que é preciso avançar em políticas de prevenção, e não restringir o acesso das pessoas aos exames de mamografia. “O câncer de mama é a segunda maior causa de morte por câncer no Brasil.


Não podemos imaginar que as mulheres de 40 a 49, faixa em que ocorre 25% da incidência desse tipo câncer, sejam desassistidas de mecanismos de tratamento precoce, que começa a partir do exame”, argumentou.


Tratamento de câncer

Outro requerimento de informações apresentado pela bancada feminina questiona os motivos que levaram o Ministério da Saúde a elaborar outra norma (Portaria 876/13) em desacordo com o que dispõe a Lei 12.732/12.


De acordo com a lei, o prazo para o primeiro tratamento de câncer deve ocorrer em até 60 dias após a data em que for firmado o laudo patológico, ou seja, após diagnosticado o câncer.


Porém, de acordo com a portaria ministerial, a data começa a contar a partir do registro do diagnóstico no prontuário do paciente.


A bancada feminina ressalta que, apesar de sutil, a diferença pode custar a vida de muitas pessoas.


Isso porque o registro do diagnóstico no prontuário geralmente é feito no momento da consulta com o médico, que pode ocorrer muitos dias depois de o paciente já estar com o laudo patológico em mãos.

Leia Também

Natal terá enfeites nas ruas, mas Cidade do Natal deve continuar de portas fechadas
Cidade Morena
Natal terá enfeites nas ruas, mas Cidade do Natal deve continuar de portas fechadas
Em último programa, Maisa se emociona em despedida do SBT
Geral
Em último programa, Maisa se emociona em despedida do SBT
Ciclista mostra pernas após 4 horas de treino e impressiona fãs
Geral
Ciclista mostra pernas após 4 horas de treino e impressiona fãs
Após semana de chuva, MS tem calor de 34°C em várias regiões
Cidade Morena
Após semana de chuva, MS tem calor de 34°C em várias regiões