Menu
sábado, 05 de dezembro de 2020
Saúde

Governo coloca plano emergencial em ação para comprar remédios e reerguer o Hospital Regional

Decreto prevê a compra de medicamento e insumos sem licitação. Custo chega a R$ 6 milhões

28 fevereiro 2019 - 12h32Por Rodson Willyams

O secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, detalhou o Plano de Ação Emergencial para o Hospital Regional de Mato Grosso do Sul Rosa Maria Aparecida Pedrossian durante entrevista coletiva realizada nesta quinta-feira (28), em Campo Grande.

O plano deve entrar em operação em 48 horas após nomeação de uma comissão e deve durar 180 dias. A medida é uma tentativa do governo para evitar o cancelamento de serviços essenciais e o fechamento da unidade.

Segundo Geraldo, o decreto foi publicado no Diário Oficial de hoje, pelo governador Reinaldo Azambuja (PSDB). "O Plano de Ação foi criado para não fechar serviços e para superarmos alguns empecilhos quanto à aquisição de insumos e remédios".

O ex-parlamentar  e atual secretário explicou que o decreto vai possibilitar ao HR comprar remédios sem licitação. "No processo normal, a demanda demoraria de sete a oito meses para adquirir um produto. E, em casos emergenciais, demoraria quase 60 dias. Com esse plano, esperamos que esse prazo diminua e, tão longo, normalize o hospital".

Sem alguns medicamentos e insumos, alguns serviços como cirurgias cardíacas, pediatria, oncologia e urologia poderiam ser suspensos. "Hoje o nosso hospital é de referência. Nós precisamos esse momento de crise e ter coragem. Esse plano foi construído a quatro mãos, pelas Procuradoria-Geral do Estado e secretarias de Administração, Fazenda e da Funsau".

Conforme o diretor do Hospital Regional, Marcio Eduardo de Souza Pereira, a unidade vinha enfrentando  desabastecimentos há dias. "Esse é um problema que vem de muito tempo e se tornou um problema crônico. Mas tiveram outros problemas, como por exemplo, laboratório que resolveu não fornecer mais medicamento de oncologia. Neste caso, o paciente não pode esperar e a gente precisa deste remédio".

Kaoye Oshiro, procurador do Estado, informou que a Lei 8.666 prevê a possibilidade de compra emergencial de remédios e insumos. "Prevê a compra direta. Mas para a gente fazer essa compra é necessário ter três orçamentos e fazemos ainda uma análise quanto ao preço de mercado".

Rapidez

Geraldo Resende explicou que as secretarias envolvidas terão o prazo de 48 horas para indicar os oito membros que devem compor a Comissão Especial de Trabalho, que vão gerir, pelo prazo de 180 dias, o Plano de Ação Emergencial. "Creio que eles deverão se reunir até o Carnaval para garantir os serviços".

Ele continua: "o governador Reinaldo Azambuja já afirmou que as ações ligadas ao Hospital terão prioridade número 1, principalmente no pagamento de fornecedores". O secretário ainda afirmou que o governo quitou R$ 10 milhões com fornecedores e pagamento de folha de funcionários, que estavam atrasados.

O gasto com a compra de medicamento e insumos fica em torno de R$ 6 milhões. "Do hospital chega a R$ 30 milhões", lembra o secretário.

Hospital Sírio-Libanês 

Resende ainda informou que uma equipe formanda por técnicos do Hospital Sírio-Libanês, de São Paulo, devem vir ao Estado para prestar consultoria sobre o que precisa melhorar. "Nós fizemos a adesão e no dia 13 de março a equipe virá para fazer um estudo para o planejamento estratégico. Essa é uma parceria entre o hospital e o Ministério da Saúde. Assim, faremos o que foi prometido sobre uma nova modelagem na saúde".

Denúncias de corrupção

Tanto o diretor Marcio Eduardo quanto o secretário de Saúde Geraldo Resende informaram que as denúncias de corrupção contribuíram para o mau desempenho do funcionamento do hospital. "Mas essas investigações de eventuais condenações deixamos para a polícia", finaliza.

Leia Também

Prefeitura de Dourados não autoriza horário estendido do comércio em dezembro
Interior
Prefeitura de Dourados não autoriza horário estendido do comércio em dezembro
Sábado de novas 9 mortes e 1,2 mil infectados pela covid em MS
CORONAVÍRUS
Sábado de novas 9 mortes e 1,2 mil infectados pela covid em MS
Natal Encantado na Vila Fernanda quer atender mil crianças, mas precisa de 'corações solidários'
Cidade Morena
Natal Encantado na Vila Fernanda quer atender mil crianças, mas precisa de 'corações solidários'
Em estado de emergência, Hemosul convoca doadores de sangue O+, A+, B+ e O-
Cidades
Em estado de emergência, Hemosul convoca doadores de sangue O+, A+, B+ e O-