Menu
Busca quinta, 02 de julho de 2020
ALMS
Saúde

TRATAMENTO À COVID-19: dexametasona se torna esperança no combate ao vírus

Farmacêutico e professor da UEMS, Rogério Dias Renovato fala sobre os avanços na pesquisa do medicamento para o tratamento do novo coronavírus

29 junho 2020 - 10h00Por Rayani Santa Cruz

Apontado por um estudo britânico como um medicamento capaz de reduzir a mortalidade em casos graves de Covid-19, o dexametasona entrou na lista dos fármacos indicados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para o tratamento do novo coronavírus.

De acordo com o farmacêutico e professor da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Rogério Dias Renovato, o remédio é um corticosteroide e anti-inflamatório utilizado para o tratamento de diversas doenças, mas seu uso deve ser sempre com acompanhamento médico.

“Recentemente foram divulgados dados de um estudo britânico sobre a eficiência e eficácia do dexametasona no tratamento da Covid-19 em grupos específicos de pacientes hospitalizados com complicações respiratórias graves, fazendo uso de ventilação mecânica ou suporte de oxigênio. O dexametasona é um corticosteroide e anti-inflamatório conhecido e utilizado para tratar outras doenças, como doenças autoimunes, doenças da pele, doenças oculares e doenças respiratórias”, explica Renovato.

Segundo a publicação da Universidade de Oxford, na Inglaterra, que divulgou os resultados preliminares do estudo randomizado Recovery (Randomised Evaluation of Covid-19 Therapy), o remédio seria indicado para pacientes com Covid-19 sob ventilação mecânica. Em casos graves de coronavírus, o medicamento, segundo o estudo, reduziu em até um quinto a mortalidade do vírus, mas não mostrou benefícios em pessoas que não precisam de assistência respiratória. 

Com as descobertas, a OMS recomendou para os países, o aumento na produção do medicamento. “O seu uso possivelmente está relacionado porque na etapa grave da doença, conforme a literatura, existe um número, uma quantidade acentuada de proteínas anti-inflamatórias chamadas citocinas e essas proteínas em quantidade exacerbada, pode causar vários danos ao sistema respiratório. Deste modo, a dexametasona como anti-inflamatório acaba modulando, regulando possivelmente essa resposta inflamatória, que ao invés de ajudar acaba prejudicando o organismo”, frisa Renovato.

No entanto, o professor ressalta que o uso do medicamento deve ser com a orientação e suporte da equipe médica que está atendendo o paciente. “A dexametasona deve ser utilizada em situações específicas, com todo o aporte dos profissionais de saúde, em hipótese alguma deve ser utilizada por conta própria, e sempre de acordo com o que foi indicado neste e outros estudos que possivelmente virão”, reforça.

(Com assessoria)

Leia Também

Pioneiro, estudo da Cassems mede custos da violência contra mulheres ao plano de saúde
Cidades
Pioneiro, estudo da Cassems mede custos da violência contra mulheres ao plano de saúde
Pedreiro morre depois de engasgar em churrasco para comemorar fim de obra
Polícia
Pedreiro morre depois de engasgar em churrasco para comemorar fim de obra
Arregou: valentão xinga prefeito no Facebook e pede perdão na frente de delegado
Política
Arregou: valentão xinga prefeito no Facebook e pede perdão na frente de delegado
Secretaria de Saúde confirma mais DOZE mortes por coronavírus em MS
Saúde
Secretaria de Saúde confirma mais DOZE mortes por coronavírus em MS