TCE MAIO
(67) 99826-0686

Arena da Amazônia será aberta neste domingo, estádio custou R$ 669,5 milhões

Arena

9 MAR 2014
G1
14h51min
Arena deve receber cerca de 20 mil pessoas neste domingo. Foto: Diego Toledano

Com 97,59% das obras concluídas e após quase quatro anos de construção e sucessivos adiamentos de entrega, o estádio da Copa do Mundo em Manaus será inaugurado com o jogo entre Nacional-AM e Remo-PA neste domingo (9). Localizada no bairro Dom Pedro, Zona Centro-Oeste da capital, no lugar do antigo estádio Vivaldo Lima (Vivaldão), foi erguida uma arena com aspectos de "cesto amazônico". As obras custaram R$ 669,5 milhões aos cofres públicos, R$ 170 mil a mais do valor inicial, e também foram marcadas por problemas, impasses com a justiça e mortes de trabalhadores.


A construção da Arena da Amazônia está orçada em R$ 669,5 milhões (sem desonerações fiscais), com R$ 400 milhões de financiamento federal através do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). O valor atual inclui um aditivo de R$ 54,4 milhões, incluso ainda no ano passado.


Em 2012, o valor da obra chegou a saltar de R$ 499 milhões (valor original) para R$ 615,9 milhões. No entanto, o Tribunal de Contas da União (TCU) apontou sobrepreço e determinou que valor fosse reajustado para R$ 550 milhões, o que foi feito depois de alguns meses. Porém, as parcelas do investimento do BNDES foram paralisadas até a regularização, o que ocorreu em setembro de 2013.


Estrutura

Com área total construída de 83,5 mil m², a Arena da Amazônia terá capacidade para 44,5 mil torcedores, sendo que durante o mundial a capacidade do estádio será reduzida para 40 mil pessoas. O local possui quatro rampas, que ficam no lado leste, sul e norte. As duas maiores rampas estão defronte à Avenida Constantino Nery. Além disso, ao redor do estádio há uma esplanada de 33 mil m², a 11 metros de altura das vias, para facilitar a circulação do público. Na arena há 61 camarotes, 98 banheiros, sendo 16 para deficientes. Ao todo, o estádio conta com 17 quiosques de alimentação.


Todos os três tipos de assentos da arena são rebatíveis e a diferença é que em alguns setores as cadeiras possuem apoios para braços e/ou estofamento. Há também 118 cadeiras para deficientes físicos ou pessoas com mobilidade reduzida, 69 assentos para obesos e 445 destinados aos acompanhantes.  O público em geral não poderá estacionar veículos na Arena da Amazônia, e somente seis vagas foram reservadas para deficientes no estacionamento do local, que tem 264 vagas (automóveis e motos).


Uma das etapas mais difíceis das obras foi a montagem da fachada e da cobertura do estádio. As estruturas de módulos em X foram fabricadas em Portugal e trazidas da cidade portuguesa de Aveiro por navios até um porto em Manaus. As sete mil toneladas das peças geraram complexidade no transporte dos módulos, que foi realizado em três embarques ao longo dos meses de março e outubro.

Veja também