(67) 99826-0686

Certidão esquenta briga entre CBF e Inter no 'caso Victor Ramos'

Dcumento reproduz diálogo entre Reynaldo Buzzoni e Edson Vilas Boas, com consulta sobre o trâmite a ser adotado para registro de Ramos

21 DEZ 2016
Uol Esporte
16h28min
Foto: Divulgação/Vitória

Um documento do 26º Ofício de Notas do Rio de Janeiro reacende a disputa entre CBF e Internacional no 'caso Victor Ramos'. O documento, datado de 15 de dezembro, revela a íntegra do diálogo entre o departamento de registros da Confederação Brasileira de Futebol e o Vitória. Chamado de 'Ata Notarial', o instrumento de fé pública foi anexado ao processo no STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva).

Com ele, cada lado defende que avança em sua linha no processo. A CBF aponta que os e-mails confirmam sua denúncia de adulteração de anexos do Inter. O Colorado indica que o conteúdo coincide com as provas juntadas na petição entregue à Procuradoria do STJD, onde o Vitória foi orientado a fazer transferência internacional para ter Victor Ramos.

O documento foi divulgada pelo colunista Hiltor Mombach, do jornal Correio do Povo, e obtida pelo UOL Esporte posteriormente.

Em 19 páginas, a Declaração Pública assinada pelo tabelião Tiago Machado Burtet mostra a troca de e-mails entre Reynaldo Buzzoni, diretor de Registros e Transferências da CBF, e Edson Vilas Boas, dirigente do Vitória.

O documento reproduz diálogo entre Reynaldo Buzzoni e Edson Vilas Boas, com consulta sobre o trâmite a ser adotado para registro de Victor Ramos e orientação da CBF diante do caso.

Além de apresentar outro personagem na conversa: Bernardo Zalan, funcionário do departamento de Registro e Transferência da CBF. Zalan é citado no início da Ata Notarial, como primeiro funcionário a acessar os e-mails e dar acesso à conversa com o dirigente.

É dele o trecho que indica o procedimento junto ao Monterrey-MEX. Bernardo Zalan foi adicionado no diálogo por Reynaldo Buzzoni e esmiúça os detalhes para a transferência em e-mail enviado às 16h23 do dia 29 de fevereiro de 2016.

"Primeiro, o Palmeiras e o clube mexicanos (sic) devem dar uma conclusão ao TMS #106697, sobre o empréstimo do atleta para o Palmeiras.

Após isto, precisa-se analisar: se o empréstimo estiver concluído, o ITC permanece no Brasil e o jogador não terá mais vínculo com o mexicano. Porém, seo (sic) jogador tiver vínculo com o clube mexicano, será necessário o retorno do empréstimo para o México e um novo pedido de empréstimo para o Vitória. Mesmo para outro clube do mesmo país, é necessário o retorno do ITC para o México para depois gerar um novo empréstimo para o clube brasileiro.

Abs!", escreveu Zalan.

Na sequência, Zalan buscou e-mail enviado às 16h39 do mesmo dia (29 de fevereiro).

"O clube mexicano deve entrar em contato imediatamente com o Helpdesk da FIFA para buscar orientações. Tudo deve partir dele e de seu interesse em emprestar o jogador. Possivelmente esse caso vai cair em validation exception e vai demorar para ser aprovado, mas no fim será aprovado pela FIFA.

ABs!", digitou Bernanrdo Zalan.

Em outra página, aparece e-mail onde Reynaldo Buzzoni instruí o Vitória e informa que o Monterrey-MEX teria de pedir o retorno de Victor Ramos. Configurando a transferência como internacional.

"Eles teriam (sic) que fazer um pedido de retorno do empréstimo e aí entrar na Fifa pedindo a liberação deste empréstimo.

Estou copiando o Bernardo que pode lhe explicar o processo", escreveu o diretor.

O que dizem Inter e CBF

Para o Inter, a Ata Notarial contradiz a própria CBF – que denunciou o clube por anexos falsificados na petição entregue ao STJD. O diálogo entre Reynaldo Buzzoni e a direção do Vitória é confirmado, bem como a orientação clara de que era necessária uma transferência internacional.

"Estes e-mails demonstram que efetivamente o Internacional juntou e-mails que não são falsos. É inegável que uma Ata Notarial pode sensibilizar o tribunal para observar que a própria CBF e o Vitória tinham conhecimento. Não se pode negar a má fé, eles tinham consciência de como fazer e preferiram um atalho que leva a irregularidade", disse Rogério Pastl, advogado do Internacional, à Rádio Guaíba.

A CBF afirma que realizou a Ata Notarial para apenas juntar ao processo e dar fé ao diálogo que ela diz ser o verdadeiro. E agora espera que o Internacional realize o mesmo procedimento e aponte o conteúdo que obteve da conversa entre Buzzoni e Vilas Boas. Na visão de pessoas da Confederação, o clube gaúcho não conseguirá provar que os e-mails são os mesmos.

Veja também