TCE MAIO
(67) 99826-0686
PMCG - Prestação de contas

Nurmagomedov desafia McGregor e dispara: 'UFC tem que fazer essa luta'

Farto de esperar, russo afirma que chegou a hora de medir forças com o irlandês, que conquistou o cinturão peso-leve do Ultimate ao despachar Eddie Alvarez, no UFC 205

14 NOV 2016
Dany Nascimento
12h33min
Foto: Jason Silva

Uma sequência de oito vitórias - uma delas contra Rafael dos Anjos, ex-campeão do Ultimate - deixa Khabib Nurmagomedov cada vez mais próximo de disputar o cinturão do peso-leve, atualmente sob posse de Conor McGregor. Farto de esperar por uma chance, o russo afirmou, após o UFC 205 - no qual finalizou Michael Johnson - sábado, em Nova York, que merece ser o próximo desafiante ao título do irlandês.

- Acho que o UFC tem que fazer essa luta (contra Conor). Eu falei com o Dana a cada final de round. Eu disse: “Ei, não me mande mais contratos de mentira. Quero um contrato de verdade”. E ele respondeu: “Sim, mas você tem que finalizar essa luta”. E devolvi: “Eu sou o único que mereço isso. Depois dessa luta, quero um contrato de verdade”. E ele: “Ok, vamos finalizar essa”. Eu finalizei a luta contra o Johnson e estou esperando pelo acordo. Talvez no Brooklyn, no UFC 209, dia 11 de fevereiro ou 12 em Las Vegas, em qualquer lugar. Não importa. Rússia, Irlanda, posso enfrentá-lo na casa dele ou em qualquer lugar. Sei que todos vocês sabem que eu mereço isso.

"The Eagle", que jamais perdeu em 24 lutas de MMA, não quer saber mais de bravatas da organização e espera que, enfim, divida o octógono com McGregor.

- Muitos lutadores lutam por dinheiro. Eu nunca fiz isso, luto pelo meu coração, pelo meu espírito, pelo lugar de onde eu vim. Eu sei que o esporte precisa de lutas como Alvarez x Conor, eu entendo isso. É pelo show, por tudo. Se o UFC casar uma luta entre o Alvarez e eu, é uma luta de verdade, mas não uma luta que vende pay-per-view. Eu entendo isso. Mas se você quer fazer essas lutas de mer**, não me envie nenhum contrato, não use o meu nome. Não sou um cara pequeno. Sou humilde com a minha família, amigos, treinadores, com todo mundo, mas não use o meu nome. Não me mande mais contratos de mer**. Eu sei agora que eu mereço e estou pronto para lutar pelo título.

Confira outros trechos da entrevista:

Vitória contra Michael Johnson

Eu me sinto como o novo presidente dos Estados Unidos. Eu disse a ele (Johnson) que tenho que lutar pelo título: "Eu não quero esmagar a sua cara, e eu já bati. Você tem que desistir". Ele continuou lutando, não disse nada. Eu lhe devo respeito. Dei uns 15 golpes duros, e muita gente iria terminar a luta depois disso, mas ele continuou lutando. Ele é um grande cara, um grande lutador. Tem muita experiência contra duros oponentes, e eu tenho respeito por ele

Finalização

Eu fiquei cauteloso. Eu não sou como os lutadores do UFC, não tenho uma grande história. Vejo todas as lutas, talvez todas as lutas do UFC, e conheço várias lesões como foi com Minotauro x Mir, então fui lento, lento... Se você pode, você tem que ser cauteloso para não causar um grande dano. Se você quebra o braço do seu adversário, ele nunca será o mesmo. Foi por isso que tive cuidado. O juiz não pode parar quando dois lutadores de alto nível estão lutando e continuam lutando. Se ele parasse, eu acharia uma besteira. Mas John McCarthy é um dos melhores juízes, ele sabe o que faz

Trocação de Johnson

Ele me deu alguns socos, me senti em risco. Eram muito rápidos. Sabia disso antes da luta, estávamos nos preparando para isso há três ou quatro meses. Não apenas para enfrentar Michael Johnson, mas preparando o boxe. Quando o UFC me deu esta luta, eu sabia que seria um grande momento. Ele é um dos melhores boxeadores do UFC, com socos duros

e rápidos. Ele me machucou algumas vezes. Mas eu controlei tudo.

À vontade em pé

Estou muito feliz pela minha performance. Uma coisa interessante é que eu fiquei um tempo com ele em pé, mas eu tinha planos de levá-lo para baixo, e todos da minha equipe pediam isso. Eu ouvia, mas controlei tudo. Eu queria mantê-lo de pé e, no momento certo, o levei para o chão.

Chance pelo cinturão

Você não acha que eu mereça? Acha que Conor tomaria uma decisão diferente? Essa é uma grande besteira (não lutar com Conor). Acho que todos os fãs irlandeses entendem quem merece isso. Eu acho que tenho fãs irlandeses também. Eu dominei muitos oponentes. Conor sempre fala "eu sou o maior", mas vocês sabem que no começo do ano ele bateu como um franguinho, e depois lutou pelo título. Isso é muito interessante. Se ele tivesse perdido para o Alvarez, talvez pedisse para lutar contra o Anthony Johnson, pois o Jon Jones está fora. O UFC o promoveria e diria, vamos lá, você vai disputar o cinturão dos meio-pesados com o Daniel Cormier. Por que não? O UFC pode fazer isso, é uma máquina de promoção. Se o UFC fizesse isso, muitos torcedores concordariam. Ele bateu e ganhou a chance de disputar o cinturão dos leves. E os verdadeiros desafiantes como ficam? Por que não sou eu ou o Tony Ferguson lutando pelo cinturão? Isso não é mais esporte. Sabe o que é interessante? Sinto que posso enfrentar qualquer um em qualquer lugar, na divisão dos leves. Não estou falando apenas de competição, estou pronto para desafios maiores.

Série de invencibilidade

Eu vou curtir. Vocês falam sobre nove vitórias na sequência, eu falo sobre 24 vitórias seguidas. São oito anos e meio. Tenho mais de 10 anos de experiência, luto aonde for, sambô, qualquer outro tipo de combate na Rússia. Depois de 2008, eu passei a lutar como profissional na Rússia e estou invicto desde então. Ninguém me pegou até agora. Michael Johnson queria me pegar, mas ninguém me trouxe problemas. Muita gente disse que eu só tenho habilidades no wrestling, mas eu sou um lutador de MMA. Isso não é sobre essa ou aquela habilidade, é sobre tudo.

Análise da categoria

Lembra quando o Conor disse que eu tinha que implorá-lo? Quando o UFC me mandou o contrato, eu pensei: agora vou fazê-lo implorar, porque eu posso derrotar Alvarez e colocarei o Conor na fila. Se você quer subir para a divisão dos leves, você precisa ter algumas lutas duras antes de disputar a cinta. Se eu tivesse o cinturão,  claro que eu não aceitaria de primeira. Eu falaria: você vai ter que enfrentar o Edson Barboza, Michael Chiesa, Tony Ferguson, alguém assim. Depois desses caras eu aceito.

UFC 205

12 de novembro, em Nova York (EUA)

CARD PRINCIPAL

Conor McGregor venceu Eddie Alvarez por nocaute aos 3m04s do R2

Tyron Woodley x Stephen Thompson foi declarada empate majoritário (47-47, 47-47 e 48-47)

Joanna Jedrzejczyk venceu Karolina Kowalkiewicz por decisão unânime (triplo 49-46)

Yoel Romero venceu Chris Weidman por nocaute técnico aos 24s do R3

Raquel Pennington venceu Miesha Tate por decisão unânime (29-28, 30-27 e 30-27)

CARD PRELIMINAR

Frankie Edgar venceu Jeremy Stephens por decisão unânime (30-27, 30-27 e 29-28)

Khabib Nurmagomedov venceu Michael Johnson por finalização aos 2m31s do R3

Tim Boetsch venceu Rafael Natal por nocaute técnico aos 3m22s do R1

Vicente Luque venceu Belal Muhammad por nocaute aos 1m19s do R1

Jim Miller venceu Thiago Pitbull por decisão unânime (30-27, 29-28 e 30-27)

Liz Carmouche venceu Katlyn Chookagian por decisão dividida (29-28, 28-29 e 29-28)

 

Veja também