TJMS JANEIRO
Menu
sexta, 21 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Top Esporte

São Paulo cola em Pato nas últimas horas da janela e quer astro em 2016

01 setembro 2015 - 12h10Por Globo Esporte

O São Paulo ficou grudado em Alexandre Pato desde sexta-feira, quando soube que o Corinthians tentava negociá-lo nos últimos dias da janela de transferências para a Europa, fechada na segunda-feira (na Inglaterra, a janela fica aberta até as 14h - horário de Brasília - desta terça-feira). O vice-presidente de futebol tricolor, Ataíde Gil Guerreiro, manteve contato durante todo o tempo com o atacante e seu empresário, Gilmar Veloz, até a manhã de segunda-feira, quando o atleta de 25 anos anunciou sua permanência aos companheiros no vestiário do CT da Barra Funda. 

Agora, o clube busca uma solução para tentar a compra do jogador após o fim do empréstimo com o Corinthians, válido até o fim do ano. A intenção do São Paulo é manter o artilheiro da equipe na temporada, com 21 gols, em 2016, mas precisaria negociar a transferência com o rival. Além disso, teria de readequar os salários de Pato, hoje de R$ 800 mil, divididos entre os dois clubes.

– Não acho que houve um blefe do Corinthians. Eles tentaram até a última hora e não conseguiram. Tinham a intenção de vender, e nós a de impedir, porque tenho a firme intenção de ficar o Pato. Não posso falar nisso agora porque não tenho dinheiro, mas quero arrumar uma solução até dezembro para ficar com ele em definitivo – disse Ataíde.

Mesmo em crise financeira, o dirigente descarta, por exemplo, repetir com Pato a solução dada para a contratação de Centurión. O empresário Vinicius Pinotti investiu aproximadamente R$ 14 milhões e financiou a transferência, sem ter participação nos direitos econômicos do argentino. Ele receberá o dinheiro de volta sem um prazo fixado, em um empréstimo com juros de mercado. Posteriormente, Pinotti virou diretor de marketing do São Paulo.

– Acho bobagem. Com o Centurión foi algo que aconteceu e não vai ocorrer mais. Não sei como, mas estou procurando uma solução – afirmou Ataíde.