Corrida Cassems
(67) 99826-0686

Em enquete, 75% dos leitores são contra inclusão da Parada LGBT no calendário oficial da Capital

Prefeito Marquinhos Trad vetou Projeto de Lei que incentiva o evento, realizado em celebração à diversidade sexual e contra preconceitos de gênero

11 SET 2017
Amanda Amaral
15h29min
Foto: Reprodução/Arquivo

Para a maior parte dos leitores do TopMídiaNews que opinaram em enquete desta semana, a ‘Parada da Cidadania LGBT e Show da Diversidade’ de Campo Grande não deve ser incluída no calendário oficial de eventos da prefeitura. O resultado apontou que 75% dos participantes concordam com o veto do prefeito Marquinhos Trad (PSD) a Projeto de Lei que sugeria a inclusão e havia sido aprovado pela Câmara de Vereadores.

A justificativa apresentada pelo prefeito foi de que o evento geraria custos aos cofres municipais e que há irregularidades jurídicas no projeto, afirmando que os vereadores alteraram o projeto original sem consultar o Executivo. “O projeto estava tudo certo para ser incluído no calendário, mas quando esse projeto voltou da Câmara, veio totalmente diferente, não foi nada do que havia sido combinado”, disse.

Segundo o prefeito, pela proposta aprovada pela Câmara, o município fica responsável pela organização, execução e dotação orçamentária da Parada LGBT. “O município não pode ser responsável em caso de uma eventual situação que ocorra durante o evento, como um possível atropelamento. Pelo projeto, o Poder Executivo fica obrigado a tudo e é o principal responsável por tudo”, disse.

Trad comparou com a realização da Marcha Para Jesus, que está no calendário oficial do município desde a gestão do prefeito André Puccinelli (PMDB). “A marcha quem organiza é a comunidade evangélica. Município só presta apoio a esse evento. Vocês querem que esse projeto seja aprovado, façam como eles. Copie o projeto deles e manda de volta”, disse o prefeito. 

“Não venham pedir dinheiro e coordenação. Eu não vou aprovar nenhum projeto de segmento. Não adianta bater na porta da prefeitura. Não significa questão de preconceito. O próprio município já tem um dia contra a homofobia. Eu mesmo nomeei a Cris Stefanny para coordenar um setor que não conheço para ajudar nesse segmento”, completou, citando a coordenadora da Secretaria de Políticas Públicas LGBT.

Em 2016, o Governo de Mato Grosso do Sul repassou R$ 60 mil para a Associação das Travestis e Transexuais de Mato Grosso do Sul, visando à realização da XV Parada Cidadania LGBT e Show da Diversidade, em Campo Grande. Os recursos foram repassados como fomento a cultura, com amparo na Lei Federal no 13.019.

Veja também