re9
lalu kids
(67) 99826-0686

Áudios revelam que Garotinho agiu contra a PF antes da prisão

Ex-governador usou aliado para encontro com ministro da Justiça; ‘A conversa não é só institucional, não’

24 NOV 2016
Globo
08h28min
Foto: Gabriel de Paiva / Agência O Globo

Áudios de interceptações telefônicas realizadas pela Polícia Federal durante a Operação Chequinho, que culminou com a prisão de Anthony Garotinho, mostram o ex-governador falando com o deputado João Carlos Bacelar (PR-BA) para combinar uma conversa “não só institucional” com o ministro da Justiça, Alexandre de Moraes. No dia 23 de outubro, um domingo, Garotinho e sua mulher, Rosinha, se reuniram com o ministro em Brasília, em agenda não divulgada oficialmente. Procurado, Moraes confirmou o encontro e disse que o casal queria fazer uma representação por “suposto abuso de autoridade” contra o delegado da PF em Campos, Paulo Cassiano, responsável pela Chequinho. “Foram informados que o procedimento a ser seguido era protocolar eventual representação, que seria encaminhada à Polícia Federal”, afirmou em nota.

Documentos obtidos pelo GLOBO mostram que o 23 de outubro foi a data de partida para a ofensiva da família Garotinho contra o delegado Paulo Cassiano. A partir das representações encaminhadas ao ministro da Justiça e à Corregedoria Geral da PF naquele domingo, foram instaurados, no dia 3 de novembro, pela Superintendência da PF no Rio, três procedimentos para investigar o responsável pela Operação Chequinho: um inquérito policial, uma correição extraordinária e uma sindicância. Nas apurações, o inquérito chegou a ser digitalizado.

Os áudios das conversas entre Garotinho e Bacelar mostram que o ex-governador procurou inicialmente o deputado para pedir uma reunião com o corregedor-geral da Polícia Federal, Roberto Cordeiro. O parlamentar, porém, oferece a possibilidade de um encontro com Alexandre de Moraes:

“Tô tentando o ministro para você falar com ele amanhã”, disse Bacelar, na gravação feita no sábado, dia 22 de outubro.

No dia seguinte, vem a confirmação. Garotinho quer saber do deputado se ele acha que deveria ir acompanhado de um advogado.

“A conversa não é só institucional, não. É institucional também, mas... Bom... Pondera aí...”, diz o ex-governador.

 Os áudios obtidos não tinham a identificação do interlocutor de Garotinho. O próprio Bacelar confirmou à reportagem que foi procurado pelo ex-governador e que intermediou o encontro com o ministro.

— Ele (Garotinho) é meu amigo. No sábado (22 de outubro), ele me ligou desesperado porque estava tendo um problema. Eu estava almoçando com a minha família. É um absurdo o que aconteceu com ele. É meu amigo, presidente do meu partido no Rio e me confidenciou que estava tendo um problema eleitoral muito grande — disse o deputado. — Eu respeito muito o governador Garotinho. Falo com ele sempre. Assim que puder, vou fazer uma visita a ele no Rio.

No dia 22, o parlamentar pergunta a Garotinho se pode “contar” com Clarissa, em referência à deputada, filha do ex-governador, que havia votado contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) do Teto de Gastos, defendida pelo governo. Àquela altura, o projeto já havia sido aprovado em primeira discussão na Câmara dos Deputados, com o voto contrário de Clarissa. Garotinho sugere que a posição da deputada poderia mudar no decorrer das discussões.

“Eu resolvo. Mas quero resolver aquele assunto”.

No dia seguinte, Bacelar volta ao tema e diz que a posição de Clarissa seria “importantíssima” na segunda votação da PEC, que aconteceria na terça-feira seguinte, e sobre o “abuso de autoridade”, em referências às propostas em tramitação no Congresso que, segundo investigadores, podem limitar o poder de investigação.

"Mas isso ela tem que votar a favor. Isso é um absurdo. O que esses caras estão fazendo daqui a pouco o Brasil virou bagunça”, diz Garotinho.

Bacelar nega que tenha ajudado o aliado como uma moeda de troca para que Clarissa se posicionasse a favor da PEC e da proposta do abuso de autoridade. A deputada votou contra a PEC e foi expulsa do PR.

— Não teve acordo nenhum — afirmou.

O Ministério da Justiça informou em nota que a reunião entre Moraes e o casal Garotinho teria sido pedida por Clarissa.

O delegado Paulo Cassiano não foi encontrado na quarta-feira. No sábado, ele afirmou que havia se colocado à disposição da PF para prestar esclarecimentos, mas não havia obtido resposta.

O advogado de Garotinho Fernando Fernandes afirmou que o ex-governador denuncia três casos de “tortura psicológica" feita pelo delegado, fazendo com que réus mudassem seus depoimentos por mais de quatro vezes. Segundo o defensor, “o objetivo é que a investigação seja feita de maneira legal e correta, e que o delegado seja afastado da investigação”. Fernandes ressaltou que não esteve na reunião com o ministro e que Garotinho “foi acompanhado por outro advogado”.

Ontem, o GLOBO mostrou os áudios ao procurador regional eleitoral do Rio, Sidney Madruga:

— É grave, delicado e deve ser averiguado — afirmou o procurador.

TRANSCRIÇÃO DAS GRAVAÇÕES

‘Levo meu advogado?’

22/10/16

Garotinho: “Olha só, eu preciso agendar com o corregedor-geral da Polícia Federal segunda-feira”

João Bacelar: “Corregedor da Polícia Federal na segunda-feira... Tô tentando o ministro para você falar com ele amanhã”

Garotinho: “Se for o ministro, melhor ainda.”

Bacelar: “Eu tô aqui, já fiz umas ligações, mas até amanhã tem uma posição... Você falar com o ministro pessoalmente.” (...)

Garotinho: “Vou. Tô sabendo de uma sacanagem aí... E aí eu tenho que desmontar antes.” (...)

Bacelar: “Agora, Garotinho, deixa eu lhe fazer uma pergunta: fale sobre Clarissa aqui. Nós podemos contar com Clarissa?"

Garotinho: “Olha, eu converso com ela. Ela tá com uma posição muito contrária àquilo ali e tal, mas eu acho que dá pra virá-la."

-----------------------------------

23/10/16:

Bacelar: “Olá, tudo bem? Marcado às 17h, no ministério. Hoje."

Garotinho: “Hoje?”

Bacelar: “Hoje.”

Garotinho: “Hoje, no Ministério da?”

Bacelar: “Justiça”

Garotinho: “Mas domingo?“

Bacelar: “Hoje. Ele está te aguardando lá, 17h. Não era audiência?”

Garotinho: (...) “é claro...”

Bacelar: “Então, hoje, marcado. Se arruma e vai pro pau.”

Garotinho: “Então tá bom. Vou sozinho ou levo meu advogado?”

Bacelar: “Foi marcado para lhe atender, não sabemos qual é o problema, só você me confirmando...”

Garotinho: “Não, tá confirmado. Só queria saber se eu vou sozinho ou levo meu advogado.”

Bacelar: “Eu acho que se é uma conversa mais institucional, vai você só.”

Garotinho: “Não. A conversa não é só institucional, não. É institucional também, mas ...Bom... Pondera aí...” (...)

Bacelar: “Então você leva seu advogado, conversa com ele só, num primeiro momento, e deixa um advogado para um segundo momento.”

Garotinho: “O advogado vai comigo? Ok, então tá bom”

Bacelar: “Agora, um segundo ponto. É importantíssima uma ajuda de Clarissa essa semana. A posição individual de Clarissa é importantíssima em dois momentos. Num primeiro momento, na 241. Num segundo momento, uma segunda votação que pode ter na terça-feira.”

Garotinho: “De quê? 285?”

Bacelar: “Não. É o assunto do abuso da autoridade, essas coisas todas que estão acontecendo aí.”

 

 

 

Veja também