Aguas marcço2
Vivi bolsas - março
(67) 99826-0686

Odilon de Oliveira afirma que massacres demonstram falência do sistema prisional

O juiz de MS destaca que o país permitiu o crescimento de facções criminosas

13 JAN 2017
Dany Nascimento
19h00min
Foto: Divulgação

Famoso por atuar no combate ao crime organizado, o juiz federal Odilon de Oliveira afirmou ao TopMídiaNews, que o massacre que culminou na morte de 56 presos no Amazonas e de 31 presos em Roraima, demonstra a falência do sistema prisional devido a omissão do poder público.

Odilon acredita que faltou atitude brasileira no início das organizações criminosas, que permitiu o desenvolvimento da criminalidade. "Os massacres ocorridos nos Estados do Amazonas e de Roraima retratam bem a falência do sistema prisional, onde a voz definitiva de mando parte de facções criminosas e não da administração penitenciária. Essa falência decorre exatamente da omissão do Poder Público ao longo dos anos. No meu entender, o Brasil não deveria ter subestimado a facção PCC, deveria ter sufocado essa organização logo no começo, quando ainda não tinha poder econômico e seus membros eram poucos. O Brasil deve à sociedade o extermínio completo desses vagabundos sanguinários", diz o juiz.

Questionado sobre medidas que devem solucionar os conflitos, Odilon afirma que não acredita na existência de soluções, já que as regiões de fronteira no país demonstram um cenário abandonado.

"Penso não existirem medidas que possam solucionar, a curto prazo, a questão penitenciária. Todavia, se o Brasil, com seriedade, der atenção à fronteira, por onde passam drogas e armas, objeto dessa contenda, aí começaremos a sentir efeitos positivos logo em seguida. As fronteiras estão completamente abandonadas sob o ponto de vista policial. A área fronteiriça corresponde a 29% do território nacional e, nela, existem apenas 13% do contingente da polícia federal", explica.

Para Odilon, as lideranças de facções devem ser confinadas em presídios federais para evitar fugas. "As lideranças dessas facções criminosas devem, sim, ser rigorosamente confinadas em prisões federais, onde não há possibilidade de fuga ou de chacina".

O juiz destaca ainda, que os estados deveriam seguir os moldes das prisões federais. "As prisões estaduais deveriam ser reconstruídas de acordo com o modelo das prisões federais, que são uns caixotes de concreto à prova de fuga, onde o preso ocupa cela individual".

 

Veja também