conadhe
OUTUBRO ROSA
(67) 99826-0686

Marquinhos defende nova intervenção na Santa Casa

Prefeito acredita que contas do hospital deveriam passar por auditoria

10 AGO 2017
Rodson Willyams
11h05min
Foto: André de Abreu
politica-interna1
Victor Hugo - 28 anos

O prefeito Marquinhos Trad, do PSD, disse que deve encaminhar ao Ministério Público Federal (MPF) documentos referente a Santa Casa de Campo Grande. Segundo ele, o hospital está novamente seguindo o mesmo 'caminho' quando passou por uma intervenção em 2004. 

"Vou encaminhar toda documentação ao MPF", disse. E emendou, "a Santa Casa está seguindo o mesmo caminho quando o Judiário deu razão para a intervenção. A outra diretoria colocou ordem e agora, a nova gestão, novamente caminha para a mesma época da intervenção", disse. 

Marquinhos ainda afirmou que o objetivo é que o órgão faça uma análise com mais "profundidade nas contas dos hospital". "São R$ 250 milhões por ano e a prefeitura está em dia", finalizou. 

O caso

Em 2004, por falta de dinheiro, levou a administração da Santa Casa a suspender os atendimentos à população. A Justiça então determinou que a associação fundadora e mantenedora do Hospital fosse afastada da direção por conta da superlotação que existia, além do acúmulo de dívidas e das condições de atendimento aos pacientes do Hospital. 

Durante um período de oito anos, uma junta interventora formada pelos governos municipais e estaduais, na época comandados pelo ex-prefeito Nelson Trad Filho e pelo ex-governador André Puccinelli, junto com o apoio do Ministério Público, comandaram a Santa Casa. 

Porém, em maio de 2013, passados os oito anos, o comando da Santa Casa voltou para a ser administrada pela Associação Beneficente de Campo Grande (ABCG). O desafio na época seria saldar os R$ 111,934 milhões em dívidas. 

Uma equipe de transição chegou a ser criada para trocar informações e o ex-presidente da ABCG, Wilson Levi Teslenco, assumiu o comando e chegou a informar que a dívida girava em torno de R$ 15 milhões em impostos, mais R$ 16 milhões de energia elétrica e por fim, mais R$ 30 milhões de fornecedores de materiais médicos. 

Até técnicos do Ministério da Saúde também vieram para fazer auditoria nas contas da instituição. 

Em dezembro de 2015, o advogado Esacheu Cipriano do Nascimento assumiu o comando da mantenedora da Santa Casa e permanece até o momento. 

politica-interna2
nando viana

Veja também