Menu
sábado, 05 de dezembro de 2020
Algo mais

VÍDEO: com síndrome de Hunter, menino come sozinho pela primeira vez e emociona familiares

A síndrome resulta em sintomas graves como rigidez das articulações, alterações cardíacas e respiratórias, aparecimento de lesões na pele e alterações neurológicas

30 abril 2019 - 10h03Por Da redação/Assessoria

O aluno do CEDEG/APAE, Matheus de Godoy, 6 anos, emocionou toda família na última semana, ao se alimentar sozinho pela primeira vez. O menino tem Mucopolissacaridose do tipo II, também conhecida como a síndrome de Hunter. A conquista foi comemorada nas redes sociais pelos pais Fernanda de Godoy e Tiago de Godoy. A Síndrome de Hunter é uma doença genética rara mais frequente em homens, caracterizada pela deficiência de uma enzima, a Iduronato-2-Sulfatase, que é importante para o funcionamento correto do organismo.

Devido a diminuição da atividade dessa enzima, há acúmulo de substâncias dentro das células, resultando em sintomas graves e de evolução progressiva, como rigidez das articulações, alterações cardíacas e respiratórias, aparecimento de lesões na pele e alterações neurológicas, por exemplo. De acordo com Fernanda, Matheus tem atraso significativo neurológico e a “mão um pouco fechada”.

A mãe conta que o menino chegou a estudar em escola regular, mas não progrediu. No ano passado, começou a fazer acompanhamento no Centro de Educação Especial Girassol (CEDEG/APAE). “O Matheus fez dois anos de tratamento no Centro Especializado em Reabilitação (CER/APAE) e lá, após eu ter comentado que ele estava com dificuldades na escola, me indicaram o CEDEG. Meu filho começou a estudar no Infantil, e se formou no final do ano. E, este ano está fazendo o Ciclo I”, contou.

“O Matheus era dependente de tudo. No início do ano os profissionais do CEDEG/APAE começaram a fazer o desfralde, e, há 3 semanas começaram a treiná-lo para comer sozinho e ele já conseguiu”, falou Fernanda, entusiasmada.

De acordo com Helciane Franco, Coordenadora Pedagógica da Educação Infantil e Ensino Fundamental do CEDEG/APAE, o trabalho com o aluno vem sendo realizado em sala de aula pela professora Lilian Figueiredo, a partir de combinados e parceria com a mãe, com o objetivo de dar mais autonomia a ele. “Realizamos um questionário com a mãe para verificar quais as atividades de interesse do Matheus para usarmos como reforços positivos diante de seus avanços. Iniciamos com ele um trabalho de aceitação de regras, limites e autonomia. Antes, a professora o alimentava, e, em um treino, ele já foi comendo sozinho”, explicou.

Os pais elogiaram o trabalho desenvolvido pelo CEDEG, destacando a importância da escola na vida do pequeno Matheus. ”Não sabemos trabalhar a forma correta de dar independência ao nosso filho, no CEDEG temos todo apoio e estrutura. O Matheus está fazendo coisas simples que antes não fazia, como comer sozinho e carregar a mochila até a sala de aula. Toda evolução veio depois que entrou no CEDEG. É um pouquinho, mas para gente é muito. Então, cada vez que ele adquire algo novo, que aprende a fazer algo sozinho, para gente é um degrauzinho a mais que subimos com ele”, enalteceu Fernanda.

Leia Também

Sábado de novas 9 mortes e 1,2 mil infectados pela covid em MS
CORONAVÍRUS
Sábado de novas 9 mortes e 1,2 mil infectados pela covid em MS
Natal Encantado na Vila Fernanda quer atender mil crianças, mas precisa de 'corações solidários'
Cidade Morena
Natal Encantado na Vila Fernanda quer atender mil crianças, mas precisa de 'corações solidários'
Em estado de emergência, Hemosul convoca doadores de sangue O+, A+, B+ e O-
Cidades
Em estado de emergência, Hemosul convoca doadores de sangue O+, A+, B+ e O-
“O álcool é a droga mais pesada que conheci”, diz Fábio Assunção após 7 meses de tratamento
Geral
“O álcool é a droga mais pesada que conheci”, diz Fábio Assunção após 7 meses de tratamento