TJMS SETEMBRO
Menu
quinta, 16 de setembro de 2021 Campo Grande/MS
CAMARA
Algo mais

De político a 'pé-de-chinelo', bar mantém tradição com feijoada há mais de 50 anos

História

25 novembro 2013 - 17h13Por Vanessa Ricarte

Alguma coisa acontece no meu coração - a esquina não é entre a Ipiranga e a Avenida São João, como relata a música Sampa, composta por Caetano Veloso em 1978, mas sim entre as ruas Jornalista Belizário Lima e 24 de Outubro, localizada na Vila Glória, em Campo Grande. Porém, os dois locais se correlacionam ao tomar como ponto de referência, bares de renome e tradição. Tal qual o Bar Brahma em São Paulo, o Vitorino's, sem dúvida, é o mais tradicional da capital sul-mato-grossense.

Se Caetano, oriundo da Bahia, assustou-se com prédios e a loucura da maior cidade cosmopolita da América do Sul, Vitorino Martos Caetano Fonseca, 63, encontrou um cenário desabitado e inóspito quando chegou a Campo Grande vindo de Algarve, Portugal, com os pais e o irmão em 1955. Mais tarde, o caçula nasceria já em terras brasileiras.

"Quando chegamos aqui não tinha nada, era tudo terreno baldio. Havia umas duas ou três casas ao redor e aqui decidimos começar a construir. Só existia o Cemitério Santo Antônio e era uma dificuldade chegar lá, quase uma viagem", conta Vitorino.

O Bar - Há 58 anos, a família de origem portuguesa encontrou na Cidade Morena (mais morena naquela época pela falta de asfaltamento) um lar, um modo de ganhar a vida e muitos amigos que fez ao longo de todos esses anos. O pai de nome homônimo, Vitorino Fonseca, desbravou o mercado local juntamente com a mãe, Maria José Caetano.

"Ele comprou um bar que ficava em frente ao Mercado Municipal que ainda nem existia nessa época. Em 1959, voltamos para a Belizário e ficamos até 1969. Depois, abrimos a Cantina do Vitorino, que ficava na Rua Cândido Mariano, entre as ruas 14 de Julho e 13 de Maio, em frente ao Rio Hotel, o mais famoso da cidade naquele tempo", relata o dono do bar.

A família tocou a cantina durante 29 anos. Seu Vitorino Fonseca faleceu em 1996 e no dia 14 de agosto de 1998, o primogênito reabriu o bar no endereço antigo, na Jornalista Belizário Lima, onde funciona até hoje.

 

O ponto comercial - O entorno onde está o bar do Vitorino não é uma área valorizada comercialmente, pois dista do centro. Diferente dos outros bares da Capital que se aglomeram próximos uns dos outros, tais como os da Avenida Afonso Pena, o Vitorino's é ilhado por casas numa área mais residencial.

Porém, o proprietário não se sente ameaçado . "O ponto é irrelevante diante da tradição que o bar tem. Estamos na terceira geração trabalhando aqui e temos clientes que já estão na quarta geração. O nome foi criado pelo pai e ele lutou bastante para o bar ser conhecido. Aqui fico tranquilo, pois minhas filhas podem dar sequência ao trabalho."

A tradição da feijoada - Aos sábados, o Vitorino's Bar e Restaurante serve a mais antiga feijoada da cidade. A partir das 10h30, os clientes já começam a chegar. Um grupo de senhores "anônimos", que não quiseram se identificar, relatam suas experiências no Vitorino's.

Um deles solta o elogio entre goles de cerveja gelada: "Aqui vem pai com filho, vereador, vendedor, advogado, senador e pé-de-chinelo, ou seja, a sociedade de mamando a caducando. Há 40 anos sou frequentador, desde a época em que o finado Vitorino ainda comandava o bar. Aqui todo mundo se comporta. Tem petisco, cerveja, bate-papo bom e um sambinha dez... O único defeito é que não tem vista pro mar. Não tem como não virar cliente fiel."

Vitorino conta como começou a tradição da feijoada aos sábados: "desde o final da década de 50, meu pai começou a servir a feijoada no bar. Existia a feijoada do Hotel Campo Grande e a do Aeroporto, que não existem mais. A do Hotel Gaspar também acabou. Hoje, seguramente é a mais tradicional de Campo Grande."

 

Reduto político - Às 11h30, André Puccinelli chegou ao bar alegre e cumprimentando a todos. Questionado sobre sua relação com o Vitorino's, o governador foi enfático: "Aqui é o point da política. O reduto da boca maldita", fala Pucinelli em tom de ironia. De fato, o bar é muito frequentado pela classe política da Capital.

O segredo da longevidade - Vitorino sabe por que seu bar é tão longevo diante da alta estatística de pequenas empresas que fecham as portas antes de completar dois anos. "Realmente, a carga tributária é muito alta. Mas a gente não pode ter preguiça de trabalhar. Essa dedicação exclusiva eu herdei do meu finado pai. Aqui todos trabalham muito. Trato todos os clientes da mesma forma. O sucesso é consequência."

Vitorino desabafa emocionado sobre a luta que a família travou pelo êxito do empreendimento. "Durante décadas, abria o bar às 4h da manhã e fechava às 23h. Eu e minha família lutamos muito e hoje vejo que o esforço recompensou", diz com a postura de quem comanda o bar mais boêmio da cidade.

Leia Também

Vídeo: ladrão furta botijão de gás e apanha até não querer mais no Indubrasil
Polícia
Vídeo: ladrão furta botijão de gás e apanha até não querer mais no Indubrasil
Servidor que filmava mulheres no banheiro é demitido em Paraíso das Águas
Interior
Servidor que filmava mulheres no banheiro é demitido em Paraíso das Águas
Piloto de quadriciclo cai de ponte de dois metros em Piraputanga
Interior
Piloto de quadriciclo cai de ponte de dois metros em Piraputanga
Empresa parceira da Sanesul vai instalar usina de energia solar em 2022
Cidades
Empresa parceira da Sanesul vai instalar usina de energia solar em 2022