(67) 99826-0686
Gov - PPA 23 a 27/07

Enfermeira adota menino com paralisia cerebral após ele ser abandonado pelos pais

O menino tem um quadro grave de convulsões desde que nasceu e a família biológica ainda demorou para buscar ajuda médica

24 JUN 2019
Da redação/Isto É
14h23min
Foto: Reprodução/Isto É

Ronei Gustavo Pires, de 12 anos, passa o dia deitado na cama. Após nascer com agenesia do corpo caloso, uma má-formação congênita na qual não possui estrutura que conecta os dois hemisférios cerebrais, e com uma neuropatia crônica, que afeta a postura e os movimentos. A rotina dele é acompanhada diariamente pela mãe, a enfermeira Solange Maria Pires, de 56 anos.

Em entrevista à BBC Brasil, a enfermeira contou mais detalhes sobre a rotina deles. Os dois se conheceram há uma década e isso fez com que ela tomasse a decisão de adotar o garoto logo depois. O menino, nascido em Cuiabá, tem um quadro grave de convulsões desde que nasceu e a família biológica ainda demorou para buscar ajuda médica. Com pouco mais de um ano de vida, ele passou a viver em estado vegetativo.

Segundo Solange, os pais biológicos de Ronei não tinham condições financeiras de conviver com o garoto e pagar os caros tratamentos médicos. Após diversos problemas de saúde, sem conseguir pagar a home care. O menino foi levado para um quarto vazio de uma empresa de cuidados especiais, mas os pais o visitaram apenas duas vezes, contou Solange à BBC.

Solange, então, entrou com um pedido de adoção. Divorciada e sem os filhos em casa, ela conseguiu a guarda do menino logo depois, mas precisou deixar um dos empregos que possuía para se dedicar ao cuidado de Ronei. A falta de esperanças para o futuro do garoto a entristece. “Uma médica me disse que ele viveria somente até os oito anos, mas ele está aqui comigo até hoje”, afirmou.

Veja também