TJ BANNER JUNHO 2022
TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
sábado, 25 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
Campo Grande

Após críticas, Marquinhos defende decreto sobre Uber em Campo Grande

'Nossa decisão não é para acabar com Uber', destaca prefeito

27 fevereiro 2017 - 07h00Por Airton Raes

O prefeito de Campo Grande, Marcos Marcello Trad (PSD) utilizou as redes sociais para defender o decreto municipal que regulamentou o funcionamento do Uber em Campo Grande. O ato de Marquinhos foi alvo de muitas críticas pela população, por tornar o Uber irregular na véspera do Carnaval. “Sobre a regularização do serviços oferecidos pelo aplicativo Uber, entendo e respeito o lado de todos vocês”, afirma Marquinhos.

Trad afirma que a decisão da prefeitura não tem a intenção de acabar, nem dificultar o funcionamento do aplicativo. Mas o objetivo do decreto é que tenha regras para o funcionamento do serviço, assim como, existe para a circulação dos taxis. “A nossa decisão não é para acabar com a Uber, ao contrário, como gestor de Campo Grande só defendo que as regras precisam ser para todos”, explica.

O prefeito destaca que a regulamentação é justa, seguindo o bom senso. Ele lembra que a regulamentação é algo de praxe que já aconteceu em diversas cidades do mundo, incluindo nos Estados Unidos onde nasceu o Uber. . “Em várias cidades e países, a regularização dos aplicativos de compartilhamento de veículos foi determinante para que o serviço continuasse existindo. Isso inclui os Estados Unidos, onde nasceu a UBER, a mais popular deles e, aqui no Brasil, a cidade de São Paulo, que legalizou o aplicativo na gestão passada”, completou.

Marcos Marcello Trad afirmou que a prefeitura cumpre seu papel de fiscalizar a prestação de serviços de transporte e que o poder executivo segue debatendo de forma democrática com a população da Cidade. “É isso que vamos fazer em Campo Grande: debater regras claras para que ninguém – usuários, trabalhadores e a cidade – seja prejudicado. O que não podemos é ignorar a responsabilidade que a prefeitura tem de fiscalizar a prestação de um serviço do qual depende a segurança e o bem estar das pessoas”, finalizou.