TCE MAIO
ASSEMBLEIA MAIO DE 2022 2
Menu
quinta, 19 de maio de 2022 Campo Grande/MS
CÂMARA MUNICIPAL MAIO 2/3 ANO
Campo Grande

Mesmo com dores e perda de líquido, grávida denuncia que não foi atendida no Regional

A jovem de 20 anos afirma que ficou horas esperando no HR e só conseguiu atendimento médico porque foi até o Hospital Universitário, em Campo Grande

15 abril 2022 - 15h15Por Rayani Santa Cruz

Uma gestante de 20 anos denuncia que procurou o Hospital Regional após sentir muita dor, perder liquido e descobrir que os batimentos cardíacos da filha estavam lentos, mas que não foi atendida após mais de três horas de espera na recepção do local, em Campo Grande.

Ela está com nove meses de gestação e afirma que buscou atendimento no HR na quarta-feira (13), após passar por consulta em um posto de saúde.

“Estava tendo contração, perdendo liquido. Eu tinha ido na consulta de pré-natal e deu que o coração dela estava com batimentos baixos. Me encaminharam até o Regional. Eu fiquei lá das 17h30 até às 21h e não consegui atendimento. Só passei pela recepção. Tinha seis gestantes lá. Tinha uma moça que estava lá chorando de dor, risco de perder o neném e não tinha sido atendida até o momento que sai.”

A paciente relata, ainda, que a recepção estava dando pulseiras de identificação para as gestantes serem atendidas, mas observou haver médicos em uma sala, e que ninguém foi chamado durante todo o tempo que esteve lá.

“Na sala havia médico, duas enfermeiras sentadas e uma senhora mais velha muito mal educada. Toda hora que abriam a porta dava para vê-los sentados, mas não chamavam a gente. Eu cansei de esperar e fui para o Hospital Universitário, onde finalmente consegui atendimento.”

A gestante afirma que a falta de educação foi o que mais chamou a atenção durante o período que esteve no local.

“Se não querem trabalhar direito pede pra sair, depois amam postar a frase 'enfermagem por amor', mas nem o mínimo que é ser educados são.”

O que diz o HR

O caso foi encaminhado a assessoria de comunicação do HR , que informou sobre os atendimentos na data. Segundo a assessoria, havia duas pacientes oriundas de vagas zero em situação de emergência. O HR se colocou a disposição da família.

"A denuncia diz que a falta de atendimento aconteceu por volta das 17h30 do dia 13. Em nosso sistema tivemos duas vagas zero  reguladas ( emergências encaminhadas aos hospital). O protocolo é dar prioridade as emergências. Os pacientes com classificação de risco verde ou amarelo devem aguardar atendimento, entretanto não consta nos registros médicos ou de enfermagem, bem como não houve reclamação no plantão administrativo nem em nossa ouvidoria por demora no atendimento.

O HRMS se coloca a disposição da família, que deve procurar a ouvidoria e manifestar a reclamação."