Menu
quinta, 24 de setembro de 2020
Cidade Morena

Ex-terceirizada do Bradesco pede recuperação judicial e vigilantes vivem aflição em Campo Grande

Empresa tinha prometido parte do pagamento para dia 30, mas não o fez

31 maio 2019 - 11h30Por Thiago de Souza

A MJB Segurança e Vigilância, empresa que prestou serviços ao banco Bradesco de fevereiro a abril deste ano, em Mato Grosso do Sul, pediu recuperação judicial. A notícia foi dada aos vigilantes nesta quarta-feira (29) e com isso a aflição dos profissionais que estão sem receber salários aumenta.

Conforme o Sindicato dos Empregados em Empresas de Segurança e Vigilância Patrimonial, Eletrônica, Transporte de Valores, Escola de Formação de Vigilantes Orgânicos de Campo Grande e Região, o Seesvig-MS, os ex-funcionários da MJB estão sendo convocados para uma reunião na próxima sexta-feira (31).

O assunto será a tentativa de entrar com uma liminar para pedir à Caixa Econômica Federal que libere o saldo do FGTS.  Em seguida, o sindicato quer preparar documentação dos filiados para requerer os demais direitos na Justiça.

''Estamos moldando toda uma estrutura jurídica para requerer os direitos'', explicou o presidente do Seesvig, Celso Adriano Gomes da Rocha.

Vigilantes atuaram por três meses no Bradesco. (Foto: Google Street View)

No entanto, os salários e verbas rescisórias dos trabalhadores não têm data para serem pagos. A informação do sindicato e de uma parente de um vigilante era de que havia promessa para pagamento nesta quinta-feira (30), algo que não ocorreu.

O sindicato confirmou que parte das carteiras de trabalho foram devolvidas aos trabalhadores na quarta-feira, vindas de Cuiabá (MT), onde fica a sede da empresa. Ainda de acordo com Celso, muitos profissionais estão em dificuldades financeiras e precisam do dinheiro para quitar as dívidas.

Desrespeito

A esposa de um ex-trabalhador da MJB relatou que as carteiras de trabalho foram entregues na calçada, fora da empresa.

''Isso é um desrespeito. Uma falta de consideração. Não deixaram nem os funcionários entrarem'', desabafou a mulher que não quis se identificar. Celso Adriano disse que nenhum profissional relatou isso, mas prometeu verificar o caso.

Descaso

Outra reclamação da denunciante é que a empresa disponibilizou a impressão dos holerites, pela internet.

''Nesse holerite ta falando que a empresa não deve nada. O valor líquido a pagar consta como 'zero', explicou a reclamante.

Outra preocupação dos trabalhadores e do sindicato é que os nomes dos trabalhadores foram colocados na lista de credores da empresa, que foi disponibilizado para a Justiça.

''Eles não deram satisfação nenhuma para a gente. Isso é um desrespeito'', completou a mulher.

Tentamos contato com a direção e assessoria de imprensa da MJB, mas todos estavam em reunião e prometeram retornar.

*Matéria alterada às 15h28 desta sexta-feira (31) para correção da data

 

Leia Também

Pai que roubou doações para filho com doença rara ganha prisão domiciliar
Geral
Pai que roubou doações para filho com doença rara ganha prisão domiciliar
Pilantra: mulher finge estupro para ganhar seguidores em redes sociais
Geral
Pilantra: mulher finge estupro para ganhar seguidores em redes sociais
Covid-19 mata mais 869 brasileiros em 24 horas, lamenta Ministério da Saúde
Geral
Covid-19 mata mais 869 brasileiros em 24 horas, lamenta Ministério da Saúde
Ladrão com faca invade casa de madrugada e morador 'mete bala' no Tijuca
Polícia
Ladrão com faca invade casa de madrugada e morador 'mete bala' no Tijuca