Menu
Busca terça, 12 de novembro de 2019
Cidade Morena

Passageiros reclamam dos atrasos de ônibus e temem problemas no trabalho

Muitas pessoas enfrentam fila e ainda não conseguiram embarcar por causa da redução de veículos circulando

06 dezembro 2016 - 09h12Por Dany Nascimento

O impasse em relação ao valor da tarifa de transporte coletivo prejudicou aqueles que dependem do veículo para chegar ao trabalho diariamente. Muitas pessoas ficaram mais de uma hora a espera de um transporte, levando em consideração que a frota que atende a Capital foi diminuída entre às 4h40 e 6h40 desta terça-feira (6). 

Os usuários do transporte coletivo estavam revoltados na fila de espera do terminal Morenão e alguns, cogitam serem suspensos do trabalho devido ao atraso. Deivid Lopes, 24 anos, afirmou ao TopMídiaNews que não tinha conhecimento da possível diminuição de veículos e não conseguiu embarcar.

"Eu tentei embarcar três vezes no meu bairro, mas eles diminuíram os ônibus porque ninguém conseguia subir. Além de demorar para passar, passava lotado e ninguém conseguia subir. Eu saio de casa cedo para chegar cedo, só que hoje eu vou chegar com mais de uma hora de atraso, posso levar suspensão pelo atraso", diz o vendedor.

Letícia dos Santos, 30 anos, disse que as pessoas estavam discutindo dentro do terminal para conseguir embarcar. "Tem gente até brigando para subir no ônibus, todo mundo acaba sendo prejudicado com isso. Eu avisei sobre o atraso, mas quem sai prejudicada no final sou eu, que terei que repor o atraso".

A atendente culpa a atual gestão pelo problema. "Eu torço é para esse Alcides Bernal (PP) sair logo porque ele não está satisfeito com tudo que passamos e ainda faz esse tipo de coisa. A culpa é dele, ele é o prefeito, mas só sabe dar um de santo e fingir que é bonzinho".

Denise Lopes, 32 anos, que trabalha na saída para Cuiabá, disse que é contra o aumento da tarifa de transporte coletivo, que não apresenta melhorias há anos. "Eles fingem que aumentam, que melhoram o transporte, mas estamos sempre sofrendo, sempre em pé de um lado ao outro da cidade. Isso é falta de respeito com quem paga tanto imposto como pagamos".

O TopMídiaNews entrou em contato com o Consórcio Guaicurus, que alegou que o diretor João Rezende estaria em reunião para tentear solucionar o problema desde o início da manhã, mas não concedeu detalhes sobre quem estaria participando do encontro.