TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
domingo, 26 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
Cidades

Às vésperas do inverno, Campo Grande deve ter frio de 7°C ainda em junho

Previsão é que nova frente fria chegue na quarta-feira que vem; estado pode ter mínima de 3°C

20 junho 2022 - 14h47Por Vinicius Costa

Campo Grande pode passar por mais uma onda de frio intensa e nos moldes semelhantes a de frente frias anteriores que derrubaram literalmente as temperaturas. Com o inverno batendo na porta, já que a estação começa nesta terça-feira (20), a previsão é que o frio chegue uma semana depois: na quarta-feira, dia 29.

Diante dos prognósticos dos sistemas meteorológicos, Mato Grosso do Sul deve ser atingido pela onda de frio que já estava sendo aguardada pelos meteorologistas. Essa onda de frio deve ser a última do mês de junho e ainda vai invadir alguns dias de julho, como aponta o Climatempo.

Conforme o sistema Meteored, a capital sul-mato-grossense promete encarar um frio intenso com temperaturas mínimas abaixo dos dois dígitos, mais uma vez. A previsão indica que a mínima deverá cair de 16°C na segunda-feira (27) para apenas 7°C na quarta-feira.

O frio tende a perdurar até o próximo fim de semana, quando os dias 2 e 3 de julho, devem ser os últimos da frente fria, mas que algumas cidades do estado poderão ter temperaturas amenas ao amanhecer.

Esse frio em específico terá força suficiente para colocar as mínimas na casa dos 3°C em municípios da região sul, como Naviraí, Amambai, Mundo Novo, Ponta Porã e até Dourados. Mesmo que a mudança brusca aconteça na quarta, as temperaturas mais baixas ficarão na quinta-feira (30).

Ainda de acordo com o Climatempo, outras duas ondas de frio devem avançar sobre o país ao longo do mês de julho: a primeira ainda na primeira quinzena de julho e a segunda no final do mês.

Durante o mês de agosto, ainda há expectativa de pelo menos uma massa de ar frio de origem polar com forte intensidade passar pelo estado, mas a meteorologia acredita ser muito cedo para saber os níveis de atuação desse fenômeno.