TJMS - novembro
tce novembro
Menu
Busca segunda, 18 de novembro de 2019
Cidades

Com aval de Bolsonaro, CMO abre comemorações do Golpe Militar de 1964 em MS

CMO não confirmou se haverá a presença de autoridades políticas neste evento

27 março 2019 - 10h30Por Rodson Willyams

O Comando Militar do Oeste deve realizar, nesta sexta-feira (29), às 9 horas, em sua sede, a formatura de militares em comemoração alusiva à Revolução Democrática de 31 de março de 1964, historicamente conhecida como Golpe de 64, que instalou a Ditadura Militar no país.

A realização do evento tem o aval do Palácio do Planalto, sendo um pedido feito pelo próprio presidente da República e militar aposentado, Jair Messias Bolsonaro, que permitiu celebração à data.

No convite, o general de Exército Lourival Carvalho Silva conclama a "digníssima família para a Formatura alusiva à Revolução Democrática de 31 de março de 1964". Quem quiser participar deverá ir vestido com traje 'passeio completo'.

Segundo publicação da Folha de São Paulo, no dia  25 de março, o presidente Jair Bolsonaro teria sido convencido pela alta cúpula militar a retomar as comemorações da data retirada do calendário militar em 2011, durante a gestão da ex-presidente Dilma Rousseff, torturada pelo regime militar, em 1970.

Bolsonaro teria concordado e solicitado ao Ministério da Defesa que fizesse as comemorações 'intramurus', ou seja, apenas dentro dos quartéis e batalhões.

A assessoria de imprensa do CMO não confirmou se haverá a presença de autoridades políticas neste evento.

Golpe de 64

O golpe de 64 manteve os militares no poder por 21 anos, até 1984. Não há um número de consenso o assunto tratado é o número de vítimas assassinadas por se opor a ditadura militas. Estudos publicados indicam 500, 1000 e até milhares.

Conforme consta na Base Nacional Comum Curricular, do Ministério da Educação, na disciplina de História ministrada para alunos do 9º ano, trata a questão como a 'ditadura civil-militar e os processos de resistência'.


Militares durante evento na Capital. Foto: Wesley Ortiz/Arquivo.

Repúdios

Manifestações contrárias à comemoração foi divulgadas., como o da Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, órgão do Ministério Público Federal, seguiu no mesmo rumo, o de protesto contra a medida de Bolsonaro.

“O golpe de Estado de 1964, sem nenhuma possibilidade de dúvida ou de revisionismo histórico, foi um rompimento violento e antidemocrático da ordem constitucional. Se repetida nos tempos atuais, a conduta das forças militares e civis que promoveram o golpe seria caracterizada como o crime inafiançável e imprescritível de atentado contra a ordem constitucional e o Estado Democrático previsto no artigo 5°, inciso XLIV, da Constituição de 1988”.