Menu
terça, 20 de outubro de 2020
Cidades

Consumidores encontram até 367% de variação em preço de material escolar na Capital

Pesquisa Material Escolar

13 janeiro 2014 - 16h45Por Carlos Guessy

O Procon acaba de divulgar no final dessa tarde de segunda-feira (13), a pesquisa de material escolar de 2014 realizada em Campo Grande. Ao todo foram cinco estabelecimentos e 117 itens, que apontaram uma variação de mais de 300% em determinados itens.

“Mas comparando com o ano passado houve uma queda de 6% no total, o que foi influenciado pelos produtos que no ano passado foram lançamentos e este ano não são mais”, explicou o superintendente do Procon, Alexandre Rezende.

Para Alexandre, a redução ocorreu porque os produtos lançados no ano passado estão mais baratos neste ano. Ele alerta que as escolas não podem obrigar o estudante a comprar o material escolar em determinada livraria, como muitas vezes ocorriam antes.

Segundo dados da pesquisa, a maior variação encontrada foi numa régua de plástico simples, de 30 cm, que variou 385% de um estabelecimento para outro, seguido do papel de presente que teve a variação de 367%.

Além da régua e do papel de presente, outros oito produtos se destacaram pelos altos índices de variação de preço. A borracha branca pequena simples da marca Mercuri para lápis variou 329%, a caneta esferográfica e o papel almaço alcançaram 300%. Já o apontador de plástico com depósito, de personagens, saltou de R$ 0,99 para R$ 3,85.

A borracha branca de personagens foi de R$ 0,49 para R$ 1,85. O giz de cera gizão com 12 unidades variou 269%, a borracha branca simples para lápis de outras marcas, o caderno pequeno espiral 98 folhas e a cola bastão de 10 g variaram respectivamente 257%, 228% e 217%.

Segundo o superintende, uma boa dica para quem for comprar material escolar é evitar lançamentos. “Tentar reaproveitar materiais do ano passado e evitar as novidades gera uma grande economia na hora da compra. Outra dica é o reaproveitamento de livros que estejam em bom estado e atualizados, os pais também tem a possibilidade de formar um grupo para a compra de livros, isto também barateia”, concluiu.

Outro ponto destacado por Resende é a Lei nº 12.886, publicada no final de 2013, que proíbe que a escola coloque na lista de materiais, itens de uso coletivo como toner, algodão, talheres. “Trabalhamos muito bem estas questões com os sindicatos ligados às escolas, mas se mesmo assim os pais tiverem problemas devem em primeiro lugar negociar com a instituição de ensino, caso não haja acordo procurar o Procon”, orientou.

Confira aqui a lista completa da pesquisa do Procon, divulgada nesta segunda-feira (13).

Leia Também

Ravi luta pela vida em hospital e família pede corrente de orações em Campo Grande
Cidade Morena
Ravi luta pela vida em hospital e família pede corrente de orações em Campo Grande
Chove em bairros de Campo Grande e água não vai dar trégua até sábado
Cidade Morena
Chove em bairros de Campo Grande e água não vai dar trégua até sábado
Estudantes pedem ajuda de Pedro Kemp para UFMS aceitar Sisu em 2021
Cidades
Estudantes pedem ajuda de Pedro Kemp para UFMS aceitar Sisu em 2021
Menino de três anos afogado em clube segue em estado gravíssimo em Campo Grande
Cidade Morena
Menino de três anos afogado em clube segue em estado gravíssimo em Campo Grande