Menu
quarta, 04 de agosto de 2021
Enquete

Em MS, população é contra cobrança de mensalidades em universidades públicas

A proposta deve ser analisada pelo Senado Federal ainda neste ano

12 setembro 2016 - 13h37Por Rodson Willyams com informações da Revista Época e Agência Brasil

Um projeto polêmico que tramita no Senado Federal tem chamado a atenção. Os senadores devem analisar uma proposta que prevê a cobrança de mensalidades no ensino superior em escolas estatais, como por exemplo, universidades federais, para jovens de classe média a ricos. O atual ministro da Educação, Mendonça Filho, afirma que um dos programas estudantis, o Fies, implantado pelo governo da ex-presidente Dilma Rousseff para financiar estudo em instituições privadas, está a beira do colapso. 

Diante da polêmica, o TopMídiaNews, deixou a seguinte enquete no Portal: 'você é a favor do ensino pago nas universidades públicas'?. Três opções foram dadas aos nossos leitores, 'não', 'paga somente quem tiver condições financeiras' e ‘sim, para todos'. A enquete permaneceu disponível por uma semana. 

Como resultado, 47,62% dos participantes disseram 'não', que são contra o ensino pago nas universidades públicas. Outra parcela, 38,10%, disseram que concordam em partes, 'paga somente quem tiver condições financeiras'. E por fim, 14,29% disseram 'sim, para todos', que o ensino público seja pago e abranja a todos na rede pública. 

De acordo com a Revista Época, o diploma universitário deixou de ser um privilégio dos mais ricos no país, na última década. A publicação relata que durante os governos de Luiz Inácio Lula da Silva e de Dilma Rousseff, alunos das classes C e D, tiveram bolsas de estudos ou financiamento barato para ingressar em faculdades particulares. 

O Senado discute o Projeto de Lei 782/2015, que propõe a cobrança de mensalidade de alunos com renda familiar superior a 30 salários mínimos - cerca de R$ 26.400 mil por domicílio. A Revista ainda publicou uma declaração do senador e candidato a prefeitura do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (PRB-RJ), que afirma que a 'maior parte das vagas nas instituições públicas é ocupada por estudantes que poderiam pagar seus cursos nas universidades privadas'. E que isto, na visão dele, impediria mesmo que indiretamente, que as vagas fossem oferecidas a estudantes carentes. 

Pós-graduação paga 
Em outubro de 2015, algo semelhante foi aprovado no plenário da Câmara dos Deputados em primeiro turno, o texto-base da proposta de Emenda à Constituição (PEC) 395/14, que permite às universidades cobrarem por cursos de pós-graduação lato sensu, (especialização), de extensão e de mestrado profissional (o mestrado profissional objetiva capacitar profissionais qualificados para o exercício da profissão, buscando a inovação e a valorização da experiência profissional).

A proposta altera ao Artigo 206 da Constituição que determina a gratuidade do ensino público em estabelecimentos oficiais. O texto aprovado foi um substitutivo do deputado Cléber Verde (PRB-MA), que relatou a matéria. Verde alterou a proposta inicial para incluir o mestrado profissional como passível de ser cobrado. O tema foi o principal ponto de polêmica entre os deputados.

No entanto, a segunda votação não entrou em pauta, mas deve ser discutida ainda neste ano pelos deputados federais. Devido à polêmica, há parlamentares que defendem que a proposta seja arquivada.

Leia Também

Filho se mata após assassinar pais a facadas na madrugada
Polícia
Filho se mata após assassinar pais a facadas na madrugada
Carro com duas crianças tomba em acidente na Conde de Boa Vista, no Tijuca
Cidade Morena
Carro com duas crianças tomba em acidente na Conde de Boa Vista, no Tijuca
Manda Lula e Dilma pagarem: Cuba e Venezuela devem R$ 3,5 bilhões para o BNDES
Geral
Manda Lula e Dilma pagarem: Cuba e Venezuela devem R$ 3,5 bilhões para o BNDES
Kemp acusa Bolsonaro de incompetência, David compra briga e discussão pega fogo
Política
Kemp acusa Bolsonaro de incompetência, David compra briga e discussão pega fogo