Menu
terça, 27 de outubro de 2020
Cidades

Sem sair do papel, lei que autoriza construção de crematório público encontra resistência da populaç

Sepultra

12 dezembro 2013 - 07h00Por Ana Rita Chagas

Ainda não saiu do papel, mas a lei que autoriza a criação do crematório público na Capital está dividindo a opinião da maioria dos campo-grandenses. Sancionada em novembro, a proposta atende uma solicitação feita por entidades da sociedade civil, envolvidas com questões ambientais. "Deus que me livre se minha família permitir isso. Quero ter minha sepultura em um cemitério, e na terra mesmo desejo que minha história seja lembrada pelo menos quando forem visitar a minha cova", disse a vendedora ambulante, Elza Almorone da Silva, de 32 anos.

Assim como Elza, a estudante de Ciências Biológicas, Elizangela dos Santos Pereira, 33 anos também considerou a determinação polêmica . “Não concordo e nem gostaria que fizessem isso comigo, pois sou defensora do costume e isso é uma questão de tradição vai ser difícil as pessoas se acostumarem, mas, respeitaria a opinião de quem pedisse para cremar o próprio corpo” reconhece.

Já o vendedor Algeu Vaz de 49 anos, acredita que a proposta é válida para a população. "Eu gostaria que a administradora deste crematório disponibilizasse um arquivo informando onde e o que foi feito com as cinzas de quem optasse por esse serviço, como os cemitérios normais”, expõe.

Desinformação – Segundo o coordenador do Fórum de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável de Mato Grosso do Sul, Haroldo Borralho, a falta de informação é o principal empecilho para que as pessoas tenham resistência para aceitar a novidade, no município. “É preciso haver uma campanha de esclarecimento que envolva toda a população, e isso será feito com o tempo”, acredita. 

Para o coordenador, a implantação de um crematório público fará com que a capital de Mato Grosso do Sul entre no ciclo das cidades que contribuem com a  preservação do meio ambiente. “Áreas que seriam ocupadas em grandes extensões de terra para construção de cemitérios poderão ser destinadas a construção de escolas, creches, postos de saúde e áreas de lazer para a população, além disso há também a preocupação com os resíduos sólidos, no cemitério Santo Amaro, por exemplo, as covas são rasas, isso prejudica o nosso lençol freático", sustenta.

Aproveitamento de espaços - De acordo com o ambientalista, além de evitar a deterioração ambiental, a construção do crematório possibilitará uma melhor ocupação dos terrenos. " A ocupação de espaço é outro problema sério. Nas regiões leste, sul, norte  já não temos nem área, sem contar que o sistema Pax é um absurdo para a população de baixa renda, na verdade não passa de aluguel de catacumba. Com o sistema de crematório a população desembolsaria cerca de R$ 500, se fosse em um sistema particular não sairia por menos de R$3 mil", defendeu. 

Leia Também

Trabalhador morre ao sofrer queda em obra
Interior
Trabalhador morre ao sofrer queda em obra
Asfalto, educação, trânsito, habitação e segurança são temas do programa eleitoral de hoje
Cidade Morena
Asfalto, educação, trânsito, habitação e segurança são temas do programa eleitoral de hoje
Em Aquidauana, Viviane Orro tem propaganda em carro de som suspensa pela Justiça
Política
Em Aquidauana, Viviane Orro tem propaganda em carro de som suspensa pela Justiça
Com leucemia e paralisia corporal, mãe pede ajuda para seguir na batalha pela vida
Cidade Morena
Com leucemia e paralisia corporal, mãe pede ajuda para seguir na batalha pela vida