Tribunal de Contas
(67) 99826-0686
Camara - marco

Motoristas reclamam da falta de orientadores de trânsito da Flexpark na capital

Centro

23 OUT 2013
Carlos Guessy
15h00min
Funcionário da Flexpark vende crédito para motorista do interior. Foto: Geovanni Gomes

A equipe de reportagem do Top Mídia News foi ao centro de Campo Grande para conversar com motoristas que usam o serviço de estacionamento no centro da cidade. Quem administra o serviço de estacionamento é a empresa Flexpark, com matriz em Belo Horizonte e com filiais em Contagem - MG e aqui na capital.


Não demorou muito e vários motoristas se manifestaram a respeito do serviço prestado na capital. A maior reclamação dos usuários foi sobre a falta de funcionários para sanar as dúvidas sobre os serviços, como por exemplo, a hora que o motorista aciona o chaveiro, ou recuperar os créditos da máquina.


"Sempre quando eu preciso de uma informação ou quero comprar um crédito, não acho um funcionário dessa empresa. Volta e meia eu tenho problemas com essas máquinas, ou até com o próprio chaveiro", disse Marilene Pinheiro, 39 anos, professora, que guardava o seu carro em estacionamento particular.



Multas - Já o estudante Gustavo Barea, 20 anos, confessa que prefere levar uma notificação de um orientador de trânsito do que sair à procura de um funcionário da Flexpark. "Já levei várias notificações sobre o estacionamento. Deixo tudo para a última hora, e nunca vejo um funcionário da Flex. Depois eu compro os créditos. Ainda bem que não levei nenhuma multa. Agora, notificações tenho várias", confessou o estudante.


Bastou meia hora em frente à Caixa Econômica Federal, esquina da Rua Treze de maio com a Cândido Mariano, para uma aposentada acenar e chamar a equipe de reportagem, denunciando que um motorista "roubou" a vaga de idoso onde ela estacionaria. 


"Eu estava para estacionar na minha vaga de idoso e um homem entrou na minha frente. Por isso eu estou chamando vocês da imprensa para fazerem alguma coisa. Tenho o meu direito, tenho cartão de identificação do idoso e agora vou ter que pagar por uma vaga né filho? Aqui está horrível para estacionar, imagina final do ano?", indagou a aposentada, Rita Cássia Rayes, 68 anos.

No momento que a aposentada chamou a reportagem, surgiu um funcionário da Flexpark, conhecido como "orientadores de trânsito". O funcionário auxiliou o motorista que estacionou errado na vaga de idoso, que em seguida comprou várias horas para o parquímetro. "Auxilio muito os motorista, principalmente os turistas, pessoas de outras cidades. Tenho o maior orgulho da minha profissão, gosto de ajudar os 'perdidos', disse Genaro Silva, 50 anos, funcionário da Flexpark. Segundo Genaro, ele nunca sofreu retaliação por parte dos motoristas mais abusados.

Poucos funcionários

O Topmídia News entrou em contato por telefone com a filial da Flexpark em Campo Grande, e questionou a quantidade de orientadores de trânsito nas ruas. Segundo o gerente operacional, Hewton Mendonça, apenas 36 funcionários fazem parte do quadro de orientadores na capital.


"Temos a intenção de contratar mais funcionários para o quadro especial de final de ano, visando as datas comemorativas, natal ano novo, férias. É uma época que o centro de Campo Grande ferve com muitos carros, motos e pedestres e pessoas fazendo suas compras", disse Mendonça.

Funcionário da Flexpark vende crédito para motorista do interior. Foto: Geovanni Gomes
Funcionário da Flexpark vende crédito para motorista do interior. Foto: Geovanni Gomes
Funcionário da Flexpark vende crédito para motorista do interior. Foto: Geovanni GomesMotoristas reclamam que muitas vezes o parquímetro trava. Foto: Geovanni GomesRita Cássia, aposentada, reclama que não tem direitos respeitados por outros motoristas. Foto: Geovanni GomesNotificação amarelinha não tem valor de multa e sinaliza para motorista que o crédito não foi colocado ou expirou. Foto: Geovanni Gomes

Veja também