Menu
Busca sábado, 04 de julho de 2020
ALMS
Cidades

Polícia e Exército prendem três pessoas por porte e venda de armamento restrito

Ação foi no âmbito da Operação Alta Pressão IV em Campo Grande

20 outubro 2016 - 18h56Por Thiago de Souza

 A Polícia Civil em Campo Grande, por meio do Garras (Grupo Armado de Repressão a Roubos e Assaltos) em ação conjunta com o Exército Brasileiro prendeu três pessoas por porte ilegal de arma de uso restrito das Forças Armadas. Armas e réplicas foram apreendidas, no âmbito da Operação Alta Pressão IV.

Um casal, proprietário de uma empresa de transporte de mercadorias foi preso em flagrante, por portar armas irregularmente. Segundo o Dourados News, a empresa não possuía certificado de registro e documento obrigatório expedido pelo Exército. No estoque foram encontrados seis armas de fogo, sendo cinco pistolas e um revólver.  

Já o segundo alvo da operação foi um box da Feira Central, onde foram apreendidos sete Lunetas de alcance/precisão, acessório de arma de fogo, e também uma pistola de gás comprimido, que também exige que a empresa possua o registro para poder expor a venda tal produto.

Ainda no mesmo box foram apreendidos diversas réplicas de armas de fogo, espingardas e pistolas de pressão, todos de origem estrangeira e sem documentação legal, que serão encaminhados à Receita Federal.

Diante dos fatos o responsável também foi preso e autuado em flagrante , por expor à venda acessório de arma de fogo sem documentação legal.

 

Leia Também

Mais uma mulher denuncia perseguição pela ‘dupla do carro cinza’
Polícia
Mais uma mulher denuncia perseguição pela ‘dupla do carro cinza’
Secretário municipal é assassinado em Dourados
Polícia
Secretário municipal é assassinado em Dourados
Carla foi esfaqueada e sofreu violência sexual antes de ser deixada na rua de casa
Polícia
Carla foi esfaqueada e sofreu violência sexual antes de ser deixada na rua de casa
Desrespeito ao toque de recolher é estupidez, irresponsabilidade e ato criminoso, desabafa Marquinhos
Cidade Morena
Desrespeito ao toque de recolher é estupidez, irresponsabilidade e ato criminoso, desabafa Marquinhos