tce janeiro
Menu
quinta, 27 de janeiro de 2022 Campo Grande/MS
Cidades

Sem investimentos, Centro Belas Artes se consagra como 'elefante branco'

Novela

29 novembro 2015 - 10h02Por Anna Gomes

Alvo de reclamações da população há mais de 20 anos, a obra projetada para comportar o terminal rodoviário de Campo Grande, o Centro de Belas Artes da Capital, se transformou em um 'elefante branco' e continua sem previsão de retomada das obras.

O empreendimento, com área total de 14 mil metros quadrados, foi iniciado durante a gestão do ex-governador Pedro Pedrossian e depois disso, entra político, sai político e nada deles terminarem a construção.

De acordo com a assessoria do atual prefeito Alcides Bernal (PP), quando ele reassumiu a administração, encontrou várias obras e projetos parados, entre eles o Belas Artes. O município determinou que a Fundac (Fundação Municipal de Cultura) e a Central de Projetos reavaliassem o projeto para terminar a obra e abrir o espaço para a comunidade. Desta forma, o mesmo encontra-se em estudos para definir a melhor forma de ser terminado, e como viabilizar recursos da obra.

Ainda conforme a assessoria, como ainda está em estudos, a prefeitura não pode divulgar datas e os caminhos que serão tomados.

Na primeira etapa da construção do Centro de Belas Artes já foram investidos R$ 8 milhões e na segunda etapa foram R$ 3,1 milhões.  A terceira etapa incluía a revitalização na parte externa tinha o valor de R$ 25 milhões, mas não foi terminada pelo município.

Durante a gestão do prefeito afastado Gilmar Olarte, o ex- Chefe do Executivo prometeu terminar a obra, dizendo que 'finalmente a construção sairia do papel', mas assim como os outros prefeitos, a novela de terminar a obra só aumenta ganhando mais capítulos.

Quem sofre é a população que, além de ver milhões do dinheiro público jogado no lixo, ainda precisa conviver com criminalidade da 'obra fantasma'.  Segundo quem mora próximo ao local, a presença de usuários de drogas é constante e a situação só piora quando a noite cai. Leia aqui.