Menu
quarta, 27 de outubro de 2021 Campo Grande/MS
Justiça

Tribunal de Justiça indefere pedido de Bernal e mantém suspensão da taxa de energia

Em decisão, a Justiça entendeu que os R$ 53 milhões no caixa da prefeitura são suficientes para manter o serviço por 35 meses

01 setembro 2016 - 08h18Por Rodson Willyams com assessoria

Os desembargadores do Órgão Especial do Tribunal de Justiça, por maioria, indeferiram a medida liminar da Ação Direta de Inconstitucionalidade, proposta pelo prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal, do PP, em face da Câmara Municipal, a fim de sustar a aplicação da Lei Complementar Municipal n. 285, que suspende a cobrança da Contribuição para o Custeio do Serviço de Iluminação Pública (Cosip), no âmbito do Município de Campo Grande, pelo prazo de 180 dias. 

Segundo a alegação do Executivo Municipal, os dispositivos da Lei Complementar Municipal n. 285/2016 violam os princípios da separação, independência e harmonia dos poderes municipais; da legalidade; bem como da moralidade. Assim, afirma estarem presentes os requisitos autorizadores, requer a concessão da liminar a fim de suspender a eficácia da lei impugnada até o julgamento do mérito da ação.

Porém, para o desembargador João Maria Lós, presidente do TJMS, condutor do voto pelo indeferimento do pedido, o deferimento da medida liminar pressupõe a presença da relevância dos fundamentos invocados na inicial (fumus boni iuris) e da necessidade ou a conveniência da providência antecipada para garantir a efetividade do resultado futuro e provável juízo de procedência, evitando o dano temido (periculum in mora).

“É sabido que, nos termos da Constituição Federal, as contribuições, entre elas a de iluminação pública (art. 149-A), possuem natureza tributária, constituindo espécie do gênero tributo. In casu, cinge-se a precisar se a Lei Municipal combatida feriu o princípio da separação dos Poderes, ao repercutir na execução orçamentária. Cumpre advertir, antes de tudo, que até mesmo matéria tributária (que geralmente afeta, ao menos, a receita) pode ser normatizada por projeto de lei iniciado no Poder Legislativo”, ressaltou o presidente.

Lós ainda afirmou que, a questão constitucional discutida nos autos é a reserva de iniciativa em matéria tributária, notadamente naquelas que veiculam alterações capazes de gerar diminuição na arrecadação tributária. “De fato, a suspensão da cobrança da COSIP pela Câmara Municipal, no âmbito do Município de Campo Grande, aparentemente, não fere a ordem jurídica, pois é sabido que as leis em matéria tributária enquadram-se na regra de iniciativa geral, que autoriza a qualquer parlamentar apresentar projeto de lei cujo conteúdo consista em instituir, modificar ou revogar tributo”.

Na sessão de quarta-feira foi ressaltado pelo detentor do pedido de vista, desembargador. Divoncir Schreiner Maran, que o saldo financeiro da COSIP atualmente é da ordem de R$ 53 milhões e a despesa média com os Serviços de Iluminação Pública é de R$ 1,5 milhão por mês, motivo pelo qual conclui-se que o saldo atual é suficiente para atender tais serviços em um período de 35 meses. O mérito da Ação Direta de Inconstitucionalidade ainda será pautado para julgamento. O processo consta pelo nº 1408150-19.2016.8.12.0000, no TJMS. 

Leia Também

Autor de Vale Tudo: Gilberto Braga morre aos 75 anos
Geral
Autor de Vale Tudo: Gilberto Braga morre aos 75 anos
Multidão aglomera em funerária na espera de ressurreição de pastor
Geral
Multidão aglomera em funerária na espera de ressurreição de pastor
CPI aprova relatório final e acusa Bolsonaro de nove crimes
Política
CPI aprova relatório final e acusa Bolsonaro de nove crimes
Mãe que deixou filha ser abusada por padrasto tem pena reduzida em Nova Alvorada do Sul
Interior
Mãe que deixou filha ser abusada por padrasto tem pena reduzida em Nova Alvorada do Sul