TCE JUNHO 2022
TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
terça, 28 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
CORONAVÍRUS

'Estamos caminhando para o fim da pandemia', diz infectologista Júlio Croda

Pesquisador ressalta que os próximos meses serão marcados por eventuais repiques, porém com menor gravidade

15 abril 2022 - 11h45Por Antonio Bispo

Após mais de dois anos vivendo com a pandemia causada pela Covid-19, o Brasil, enfim, começa a sentir um senso de normalidade com a queda da obrigatoriedade do uso de máscaras e distanciamento social.

De acordo com o site Metrópoles, o relaxamento das medidas, em conjunto com a queda de casos, faz com que muitos acreditem que chegamos ao tão esperado fim da pandemia.

Em entrevista ao site, o pesquisador da Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz, Julio Croda, afirmou que a pandemia ainda não acabou, mas estamos próximos de ver isso se concretizar.

“Ainda acontecem muitos óbitos em todo o mundo, a distribuição de vacinas permanece desigual, mas – mesmo com o surgimento de novas variantes – estamos caminhando para o fim da pandemia”, acredita Croda.

Nessa terça-feira (12), o Brasil registrou a menor média móvel de mortes causadas pelo vírus da Covid-19 em 90 dias.

O país está há 12 dias com a média abaixo de 200 mortes, no qual indicadores sinalizam a queda expressiva de casos de infecção. Assim acontece com todos os países do mundo.

Nos últimos sete dias, foram registrados 21.480 óbitos em todo o mundo, segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS). Desde 2020, 6.190.349 pessoas faleceram em decorrência do coronavírus.

Para controlar de vez o vírus, ele pondera que é necessário apostar na imunização da população que ainda não teve acesso às injeções.

“Temos que avançar com a vacinação de duas doses, principalmente na África, e a dose de reforço entre os mais vulneráveis“, diz.

Embora alguns países tenham derrubado restrições em relação à pandemia, como o Brasil, somente a Organização Mundial da Saúde - OMS pode determinar o fim do estado de emergência de saúde pública.

“Só a OMS determina o fim da pandemia, um evento de impacto global. Ela tem a prerrogativa de entender que caiu para endemia. Um país, isoladamente, não pode decretar o fim da pandemia”, explica Croda.