TCE JUNHO 2022
TOP MIDIA INSTITUCIONAL
Menu
terça, 28 de junho de 2022 Campo Grande/MS
GOV ENERGIA ZERO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
GOV CRESCIMENTO JUNHO 2022
CORONAVÍRUS

Mato Grosso do Sul segue tendência nacional de aumento de casos da covid-19

Média móvel dobrou em quase todos os Estados brasileiros

07 junho 2022 - 11h00Por Antonio Bispo

O aumento de casos nas última duas semanas, em quase todos os Estados brasileiros, inclusive, Mato Grosso do Sul, acende um alerta nas autoridades sanitárias, que analisam o cenário para conter o avanço da doença.

De acordo com o site Estadão, houve um aumento de 100,3% nas últimas duas semanas em todo o país, saltando de 14.644 casos para 29.342.

Dessa forma, os níveis voltaram a alcançar o que havia sido registrado em março deste ano. Embora tenha tido o aumento, os números ainda estão longe de serem comparados aos causados pela variante ômicron, em janeiro deste ano.

Porém, o que preocupa, são as subnotificações que podem estar ocorrendo, uma vez que atualmente existe a possibilidade de autotestes, além das irregularidades na divulgação de dados por parte dos Estados.

Especialistas falam sobre a possibilidade de uma nova onda e atribuem a alta à transmissibilidade da Ômicron e de suas subvariantes; à flexibilização de medidas não farmacológicas de proteção; à estagnação e a desigualdade regional da vacinação; e ao frio.

Eles indicam a necessidade de estímulo à imunização e a retomada do uso de máscaras em locais fechados.

Embora o número de casos confirmados esteja crescendo, a média móvel de mortes em todo o país diminuiu.

Nas duas últimas semanas, houve redução de 21,5%, totalizando 80 mortes, estando abaixo dos 100 desde 3 de junho.

O epidemiologista Pedro Hallal destaca que o aumento nas infecções mostra que a pandemia ainda não acabou, mas não é “desesperador”.

"Porque a gente tem visto que o aumento de casos praticamente não vem acompanhado de um aumento de óbitos. Isso torna a situação muito melhor”.

No entanto, ele pede cautela, levando em consideração a imprevisibilidade do novo coronavírus e a covid longa.